“Queimem a bruxa!” Visita de Judith Butler provoca manifestações nas ruas de São Paulo

Considerada "mãe" da ideologia de gênero pelos conservadores, filósofa fica no meio de embate ideológico.

“Queimem a bruxa!” Visita de Judith Butler provoca manifestações nas ruas de São Paulo

Aproveitando a passagem da feminista, lésbica, judia, ativista LGBT e teórica queer Judith Butler pelo Brasil, um grupo de direita se inspirou livremente na Idade Média para promover uma caça às bruxas em pleno 2017, fazendo uma queima simbólica da filósofa em um protesto em frente ao Sesc Pompeia, nesta terça (7), em São Paulo. Empunhando crucifixos, manifestantes atearam fogo em uma boneca vestida bruxa com o rosto de Butler aos gritos de “queimem a bruxa!”

Apesar de ter vindo ao país lançar o livro “Caminhos Divergentes: Judaicidade e Crítica do Sionismo”, no qual trata do conflito Israel-Palestina e para participar do Colóquio “Os Fins da Democracia”, Judith Butler está sendo acusada estar no Brasil propagar a ideologia de gênero.

Um abaixo-assinado chegou a ser criado por manifestantes contrários à visita da filósofa no site de petições online Citizen Go, que promove causas conservadoras e não exige CPF de seus usuários ou qualquer outro tipo de verificação, possibilitando que uma mesma pessoa assine várias vezes. Até o início da tarde desta terça (7), o grupo reunia 366 mil assinaturas. A maior parte do tráfego da página foi impulsionado pela página “Evangélicos da Ilha”.

Não podemos permitir que a promotora dessa ideologia nefasta promova em nosso país suas ideias absurdas, que têm por objetivo acelerar o processo de corrupção e fragmentação da sociedade”, diz um trecho da petição.  

https://twitter.com/alefrotabrasil/status/927937463993225217

A cruzada contra Judith Butler acontece na sequência de embates ideológicos no país motivadas por grupos como o MBL e nomes como Alexandre Frota – que batizou Butler de “mãe da ideologia de gênero”. O debate sobre gênero e teoria queer ganhou visibilidade com o movimento boicote do Queer Museu que incentivaria a pedofilia e zoofilia.

Por outro lado, a campanha conservadora também rendeu um aumento no número de inscrições para o evento. E levou manifestantes a favor de Butler ao Sesc Pompéia, onde fizeram um cordão de isolamento para a proteção da pesquisadora e enfrentaram o grupo contrário com o coro “ih, fudeu, a palestra aconteceu”.

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?

Apoie o Intercept Hoje

Entre em contato

Conteúdo relacionado

Inscreva-se na newsletter para continuar lendo. É grátis!

Este não é um acesso pago e a adesão é gratuita

Já se inscreveu? Confirme seu endereço de e-mail para continuar lendo

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar