Alegações das Forças de Defesa de Israel de que seus agentes encontraram 8 bebês queimados em uma casa num kibutz eram falsas.

Bebês decapitados, estupro em massa e civis queimados: as maiores mentiras de Israel sobre o 7 de outubro reveladas em documentário

Filme da Al Jazeera reconstrói o ataque do Hamas com detalhe inigualável. Assista à versão em português produzida em parceria com o Intercept Brasil.

Alegações das Forças de Defesa de Israel de que seus agentes encontraram 8 bebês queimados em uma casa num kibutz eram falsas.

Mentiram para você sobre o que aconteceu em 7 de outubro de 2023. O Hamas invadiu Israel e matou centenas de civis e soldados — isso é verdade — mas as alegações mais incendiárias usadas para justificar o bombardeio maciço de Gaza por Israel não são comprovadas ou são histórias fabricadas,  refutadas pelas provas.

Além disso, uma inspeção mais minuciosa mostra que alguns dos piores crimes atribuídos ao Hamas podem ter sido cometidos pelos próprios militares israelenses, como resultado do uso de armamento pesado contra civis e reféns.

Essas são algumas das conclusões importantes do documentário inédito “7 de outubro”, do núcleo investigativo da Al Jazeera, fruto de meses de minuciosa investigação forense. 

O filme, adaptado para o português em parceria com o Intercept Brasil, é a investigação mais abrangente e detalhada já publicada sobre o episódio – e uma resposta contundente à boa parte da cobertura da grande mídia desde então. Ele desnuda a propaganda israelense ao mostrar o que realmente se passou no 7 de outubro em Israel e na Palestina, minuto por minuto. 

A equipe de documentaristas da Al Jazeera vasculhou os registros governamentais e os depoimentos de centenas de sobreviventes para compilar uma lista detalhada de vítimas. Também examinou sete horas de filmagens — grande parte delas obtidas em câmeras de combatentes do Hamas mortos — e conduziu várias entrevistas com especialistas.

Se você for assistir a apenas uma reportagem sobre o tema, escolha essa.

ASSISTA A “7 DE OUTUBRO”, O DOCUMENTÁRIO DA AL JAZEERA

‘Uma retaliação terrível contra os palestinos’

As descobertas dos jornalistas da Al Jazeera mostram que os principais jornais e políticos influentes como o presidente dos EUA, Joe Biden, fizeram parte — voluntariamente ou não — de uma campanha de desinformação em massa. Israel utilizou essa confusão para justificar seu ataque sem precedentes a Gaza, em curso há quase seis meses, que já matou mais de 32 mil  pessoas – 46 palestinos para cada civil israelense morto pelo Hamas e pelas forças israelenses em 7 de outubro.

‘Se você consegue provocar o sentimento de repulsa nas pessoas, acho que elas ficam mais propensas a apoiar, por exemplo, uma retaliação terrível contra os palestinos’.


LEIA A ENTREVISTA COM RICHARD SANDERS, DIRETOR DO DOCUMENTÁRIO


Para Marc Owen Jones, professor de estudos do Oriente Médio e analista de mídia entrevistado no filme, essas atrocidades inventadas têm uma função importante: enfatizar a brutalidade. “Se você consegue provocar o sentimento de repulsa nas pessoas, acho que elas ficam mais propensas a apoiar, por exemplo, uma retaliação terrível contra os palestinos”, diz Jones.

Chegada de palestinos feridos ao Hospital dos Mártires de Al-Aqsa. 06 de março de 2024, Gaza, Palestina.
Chegada de palestinos feridos ao Hospital dos Mártires de Al-Aqsa. 06 de março de 2024, Gaza, Palestina. Foto: Hashem Zimmo/Thenews2/Folhapress

Os crimes de Israel

O filme também detalha as falhas gritantes dos serviços de inteligência e dos militares israelenses, que ignoraram evidências e avisos de analistas e que poderiam ter evitado a chocante vitória militar do Hamas. 

Na madrugada de 7 de outubro, por exemplo, os principais líderes militares israelenses foram alertados que havia grandes e incomuns movimentos de tropas. Uma analista de inteligência alertou repetidamente que o Hamas estava planejando algo grande. Eles até obtiveram uma cópia do plano de ataque, mas tudo isso foi ignorado.

As imagens de combate coletadas pelos cineastas sugerem que nem mesmo os militantes palestinos esperavam romper tão facilmente a linha militar israelense, o que lhes permitiu avançar sobre áreas civis, como o festival de música Nova. Lá, centenas de pessoas foram mortas, primeiro por combatentes do Hamas e depois por soldados e pilotos também israelenses em pânico, que dispararam contra carros em fuga sem identificar corretamente quem eram os alvos.

Gravações das forças armadas israelenses, análises de especialistas e depoimentos de sobreviventes mostram que Israel abriu fogo contra civis, os incinerando, numa tentativa de evitar que eles virassem reféns do Hamas, que poderia usá-los como moeda de barganha.


LEIA MAIS


Acusações de estupro em massa

O festival Nova também foi o principal local onde teriam ocorrido estupros em massa, inclusive alguns descritos por supostas testemunhas, com detalhes horríveis. Uma reportagem de capa do New York Times virou peça chave do argumento de apoiadores da escalada genocida da violência israelense contra Gaza. Apesar das várias inconsistências já apontadas na reportagem, o jornal tem se recusado a admitir falhas e se retratar.

Os investigadores da Al Jazeera encontraram uma única prova, um único vídeo, que poderia indicar violência sexual. Madeleine Rees, advogada e diretora da Women’s International League for Peace and Freedom (Liga Internacional de Mulheres por paz e liberdade, em tradução livre), estudou as alegações. “Eu acredito que tenha havido estupro”, ela diz em entrevista. 

“Em todos os conflitos sempre que há homens armados com a intenção de praticar violência, é altamente improvável que não haja violência sexual. Mas nada que eu tenha visto publicado até agora sugere que tenha sido generalizado e sistemático” Rees disse. 

Ela observa ainda que uma comissão da ONU solicitou imediatamente a permissão de Israel para investigar as supostas atrocidades, mas o grupo “foi barrado por Israel”.

ALT-DA-FOTO

As destruições no local da retirada do exército israelense do bairro Al Amal e do Hospital Nasser na cidade de Khan Yunis durante o conflito Israel-Palestina. Foto: Hashem Zimmo/Thenews2/Folhapress

A lorota dos 40 bebês decapitados

O filme também mostra, de forma conclusiva, que o mais obsceno dos supostos crimes de guerra atribuídos ao Hamas – a sádica decapitação e queima de 40 bebês no kibutz Kfar Aza, alegado por fontes militares israelenses e repetido inquestionavelmente pelos principais jornais do mundo – não tem fundamento. Dois bebês foram mortos em Israel naquele dia, não 40, e nenhum em Kfar Aza, como mostra a lista de óbitos compilada pelos jornalistas da equipe investigativa da Al Jazeera.

Essa mentira foi uma arma importante na guerra de propaganda de Israel. O presidente dos EUA, Joe Biden, até chegou a afirmar que viu pessoalmente “fotos de terroristas decapitando crianças”.  Mas a Casa Branca vergonhosamente reconheceu mais tarde que Biden nunca havia visto essas imagens — mas isso só depois que a desinformação já havia se espalhado pelo mundo.

Enquanto isso, relatos de jornalistas e médicos em Gaza sobre crianças palestinas decapitadas e com os membros arrancados por bombas israelenses passaram relativamente despercebidos nos mesmos veículos. 


VEJA A SÉRIE QUE ISRAEL TENTOU ESCONDER DE VOCÊ


A invasão de Rafah

Pelo menos 32.070 palestinos foram mortos e outros 74.298 ficaram feridos desde outubro em Gaza. A maioria esmagadora de seus 2,3 milhões de habitantes foi deslocada forçadamente dentro do território. Em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, estão abrigados em tendas 1,5 milhão de pessoas, a maior parte mulheres e crianças. É a última “zona segura” de Gaza, como Israel designou – mas por pouco tempo. 

Segundo reportagens, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse ao secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, que Israel invadiria Rafah – já sob bombardeio – com ou sem o apoio dos EUA.

Também na sexta-feira, 22 de março, o Conselho de Segurança da ONU novamente não conseguiu chegar a um acordo sobre o cessar-fogo, enquanto o número de mortos por fome, desnutrição e falta de assistência médica aumenta. 

Se não houver uma solução política negociada com pressão da comunidade internacional em breve, os próximos dias poderão abrir a fase mais sangrenta da campanha genocida de Israel contra o povo palestino.

ASSISTA AO DOCUMENTÁRIO “7 DE OUTUBRO


LEIA MAIS

• Deixei um pedaço de mim em Gaza e talvez nunca possa voltar para buscá-lo

• Transferências de armas dos EUA para Israel são mantidas em segredo

• VÍDEO: Uso ‘cínico’ de antissemitismo por Israel confunde ódio aos judeus com críticas a Benjamin Netanyahu 

• Israel-Palestina: 11 distorções sobre Gaza e Hamas que a mídia vai contar hoje

URGENTE! O Intercept está na linha de frente na luta por justiça pelo brutal assassinato de Marielle Franco.

Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, é apontado como mandante desse atentado. Revelamos que Ronnie Lessa, ex-policial militar envolvido, delatou, mas a homologação pelo STJ enfrenta obstáculos devido ao foro privilegiado de Brazão.

Sua doação é crucial para impulsionar investigações e ações legais. A verdade não pode mais ser silenciada. Faça sua doação agora!

FAÇA PARTE

Faça Parte do Intercept