'O protocolo da PRF é atirar?', questiona marido de mulher morta por agente no Rio

Polícia Rodoviária Federal alvejou carro de casal na Baixada Fluminense após motorista ligar o pisca alerta, diz sobrevivente.

Foto: Alexandre Mattos, marido de Anne Caroline Nascimento Silva, assassinada pela Polícia Rodoviária Federal em 17 de junho.

“Eles mataram minha esposa, assassinaram mesmo. Nem me deixaram parar o carro. O protocolo da Federal é atirar? Então, não sei mais o que fazer”.

A frase acima foi dita por Alexandre Mattos, marido de Anne Caroline Nascimento Silva, morta por um tiro disparado por Thiago da Silva Sá, agente da Polícia Rodoviária Federal. Em 17 de junho, o carro em que estavam foi abordado pelos agentes na Rodovia Washington Luís, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. 

Anne foi alvejada no abdômen e morreu em um hospital. Ela tinha 23 anos. 

O agente Thiago da Silva Sá foi preso em flagrante, mas vai responder em liberdade. O agente admitiu, em seu depoimento, ter disparado oito vezes contra o carro do casal. Disse ainda que o motorista recebeu sinal para parar, mas acelerou tentando fugir. Ele alega ter ouvido disparos e teria avisado que iria atirar.

O marido de Anne conta uma história diferente. “O giroflex acionou. Quando acionou, justamente, eu liguei o pisca alerta. Assim que liguei, já começaram a atirar. Era muito tiro mesmo”, afirmou Mattos. “Ele matou, assassinou. Ele executou. Ele foi solto na custódia. Entendeu? Acho que matou. Pô, tem que pagar. Acho que tem que ficar preso, independente de quem seja, irmão”.

De 2019 a 2022, 74 pessoas foram mortas em ações conjuntas que envolviam a PRF no estado do Rio, informa um levantamento feito pelo Instituto Fogo Cruzado.

“Deram tiro para matar, assassinar mesmo, executar, descarregou o fuzil todo no carro. Na verdade, é a falta de preparo deles que atingiu uma outra pessoa. E eu ia levar meus dois filhos para jantar com a gente. O que aconteceu? Deixei eles em casa”.

Procurada, a PRF informou em nota que os agentes envolvidos estão “apenas realizando atividades administrativas” e que, segundo a Portaria 42/2021, a corporação pode “atuar em operações conjuntas que contem com a participação de órgãos integrantes do Sistema Único de Segurança Pública”. Questionada sobre um possível desvio de função apontado por especialistas, a PRF acrescentou que “suas ações fora das rodovias sempre amparadas em aspectos legais” e são “fruto de prévio alinhamento com o Ministério da Justiça e Segurança Pública, com os demais órgãos envolvidos”.

Atualização: 3 de julho, 14h07
Esse texto foi atualizado para incluir a resposta da Polícia Rodoviária Federal, enviada após a publicação da reportagem.

URGENTE! O Intercept está na linha de frente na luta por justiça pelo brutal assassinato de Marielle Franco.

Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, é apontado como mandante desse atentado. Revelamos que Ronnie Lessa, ex-policial militar envolvido, delatou, mas a homologação pelo STJ enfrenta obstáculos devido ao foro privilegiado de Brazão.

Sua doação é crucial para impulsionar investigações e ações legais. A verdade não pode mais ser silenciada. Faça sua doação agora!

FAÇA PARTE

Faça Parte do Intercept