Mídia brasileira esconde os verdadeiros culpados pelo tráfico de drogas, diz Carl Hart

Jovens moradores de favelas discutem política de drogas com pesquisador americano.

Mídia brasileira esconde os verdadeiros culpados pelo tráfico de drogas, diz Carl Hart

O Brasil continua atraindo holofotes. Outrora pela Copa do Mundo e Olimpíadas, agora pelo o caos político e a violência generalizada, uma diretamente ligada a outra, inclusive. A situação é tão ruim, as políticas públicas são tão equivocadas, que o Rio – especialmente – virou um lugar em que todo bom pesquisador de política de drogas precisa fazer pelo menos uma peregrinação na sua carreira. Para o professor de neurociência da Universidade Columbia, Carl Hart, esta já é a sexta.

Desta vez, Hart se encontrou com jovens que integram o Movimentos – um grupo de jovens de várias favelas e periferias do Brasil que acredita que uma nova política de drogas é urgente e precisa ser discutida com eles, que sofrem o impacto direto da “guerra às drogas”. O papo foi no Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio de Janeiro, na última sexta feira (08). “Nós somos a população que mais morre em circunstância dessa ‘guerra’, mas a gente não faz parte de nenhum dos debates que pensam as políticas para a sociedade e especificamente para dentro da favela”, reitera Jéssica Souto, membro do Movimentos, fundadora do Estúdio Abaeté, uma empresa de serviços em audiovisual, e moradora do Complexo do Alemão.

Fizemos isso nos EUA 30 anos atrás e percebemos que é uma cilada

Hart é autor do livro “Um Preço Muito Alto“, que conta a história da sua infância e juventude num dos bairros mais violentos de Miami e como – a despeito da desigualdade e da falta de oportunidades – tornou-se o primeiro professor negro da Universidade de Columbia e foi levado a um trabalho inovador no terreno da dependência química e das drogas. E exatamente por isso ele vê muitas similaridades com o Brasil, mas sempre destacando o atraso gritante do país ao lidar com as questões que envolvem drogas.

“Uma das coisas que me perturbam quando venho ao Brasil: Eu odeio  ouvir as pessoas falando sobre os traficantes. O tipo de linguagem coloca a culpa no lugar errado. As pessoas que estão lucrando com o tráfico de drogas no Brasil são os poderosos, políticos, autoridades. Mas na mídia e na TV o que se mostra é que a juventude negra é o problema das drogas. Fizemos isso nos EUA 30 anos atrás e percebemos que é uma cilada, um truque. Mas era tarde demais, porque todos os meninos e homens negros dos EUA já estão na prisão. E vejo que o mesmo pode vir a acontecer ou já está acontecendo aqui no Brasil”, compara.

De fato, o Brasil importa políticas de segurança racistas e falidas implantadas nos EUA do século passado, e mesmo John Ehrlichman, então chefe de política doméstica do presidente Nixon, tendo admitido para o jornalista Dan Baum o objetivo claramente racista da política de drogas, as coisas seguem intocadas, com negros matando negros na base da pirâmide, enquanto o dinheiro do tráfico de drogas movimenta bilhões, inclusive na economia formal.

Vídeo: Daniel Sant’Anna

URGENTE! O Intercept está na linha de frente na luta por justiça pelo brutal assassinato de Marielle Franco.

Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, é apontado como mandante desse atentado. Revelamos que Ronnie Lessa, ex-policial militar envolvido, delatou, mas a homologação pelo STJ enfrenta obstáculos devido ao foro privilegiado de Brazão.

Sua doação é crucial para impulsionar investigações e ações legais. A verdade não pode mais ser silenciada. Faça sua doação agora!

FAÇA PARTE

Faça Parte do Intercept

Conteúdo relacionado