Vídeo: Por dentro da indústria da grilagem 

Intercept mostra como grupos poderosos operam na tomada de terras públicas na Amazônia para transformá-las em pasto e áreas para venda de madeira.

Fotos: Bruno Kelly para o Intercept Brasil

Ladrões de Floresta

Parte 5


Todos os dias, imensas áreas de floresta que pertencem a todos os brasileiros são roubadas por grupos de grileiros profissionais. São os ladrões de floresta, que desmatam, queimam e depois lucram em cima de terras públicas. Com o apoio da Rainforest Investigation Network, o Intercept passou um ano investigando a grilagem na Amazônia, e descobriu um esquema que envolve engenheiros, corretores, órgãos públicos e muito dinheiro. 

Na primeira reportagem da série, contamos a história do maior desmatamento contínuo já registrado na Amazônia, levado a cabo por três homens no sul do Pará. Graças a imagens de satélite e apurações em campo, conseguimos reconstituir como aconteceu essa derrubada, transformando em pasto uma área avaliada em R$ 100 milhões.

Na segunda matéria, revelamos como áreas griladas são vendidas livremente por corretores que ganham comissões milionárias no Pará. Tudo isso é possível graças ao engenheiro da grilagem, que usa uma ferramenta do próprio estado, o CAR, para dar um verniz de legalidade ao roubo de terras e driblar as regras da regularização fundiária. 

Na reportagem 3 da série, fomos até o sul do Amazonas para mostrar como um grupo de madeireiros retirou 45 mil caminhões carregados de madeira de uma área da União. Tudo isso sob a indiferença do Ibama e com a benção do órgão ambiental estadual.

Na última reportagem, o Intercept revelou como o governo Bolsonaro abriu mão de proteger 8 milhões de hectares na Amazônia, Cerrado e Pantanal, incluindo a região com maior estimativa de concentração de onças pintadas do mundo. 

URGENTE! O Intercept está na linha de frente na luta por justiça pelo brutal assassinato de Marielle Franco.

Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, é apontado como mandante desse atentado. Revelamos que Ronnie Lessa, ex-policial militar envolvido, delatou, mas a homologação pelo STJ enfrenta obstáculos devido ao foro privilegiado de Brazão.

Sua doação é crucial para impulsionar investigações e ações legais. A verdade não pode mais ser silenciada. Faça sua doação agora!

FAÇA PARTE

Faça Parte do Intercept

Entre em contato