Vozes

Ana Hickmann: o que não te contaram sobre o pedido de prisão da apresentadora

Ex-marido de Ana Hickmann rebateu denúncia de violência doméstica com acusação de alienação parental contra a apresentadora e pediu sua prisão.

O ex de Ana Hickmann, acusado de violência doméstica, pediu sua prisão com base na Lei de Alienação Parental em 3 de janeiro. Entenda a estatégia por trás de pedidos como esse.

O ex de Ana Hickmann pediu sua prisão com base na Lei de Alienação Parental em 3 de janeiro. Entenda a estatégia por trás de pedidos como esse.
O ex de Ana Hickmann, acusado de violência doméstica, pediu sua prisão com base na Lei de Alienação Parental em 3 de janeiro. Entenda a estatégia por trás de pedidos como esse. Foto: Zanone Fraissat/Folhapress

Há pouco mais de um mês, escrevi que nem uma mulher rica e famosa como Ana Hickmann escaparia dos males da Lei de Alienação Parental. Ela acabara de ser denunciada pelo ex-marido Alexandre Correa. Acusado de violência doméstica, o empresário alegava que a apresentadora o impedia de ver o filho do casal, de 9 anos de idade. Agora, ele pediu a prisão de Hickmann.

A imprensa tradicional se apressou em noticiar que o motivo do pedido de prisão era um ato de alienação parental: Hickmann teria se recusado a entregar a criança para convivência com o pai entre os dias 3 e 10 de janeiro. Somente depois acrescentaram uma nota da assessoria de imprensa da apresentadora, afirmando que havia combinado com a defesa do ex-marido uma mudança na data. 

O que a imprensa equivocadamente não informou é que a Lei de Alienação Parental não prevê pena de prisão para quem é denunciado, muito menos a possibilidade de pedir “prisão em flagrante dentro do período de 24 horas”, como fez a defesa de Correa. 

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar

De acordo com a legislação, sancionada em 2010, são considerados alienadores aqueles que interferem na formação psicológica das crianças, implantando nelas falsas memórias para virá-las contra um dos pais. A maior punição para quem é acusado de alienação parental é a perda da guarda da criança.

A lei se baseia em pseudociência: a Síndrome de Alienação Parental. Trata-se de uma falsa teoria desenvolvida pelo estadunidense Richard Gardner, que nunca foi reconhecida pela Organização Mundial da Saúde e é criticada pelo Conselho Federal de Psicologia, Conselho Nacional de Assistência Social e Conselho Nacional de Saúde. Na década de 1980, Gardner produzia laudos para defender pedófilos.

Segundo a advogada Cláudia Galiberne Ferreira, homens acusados de violência doméstica – como o ex de Ana Hickmann – e de estupro de vulnerável estão tentanto equiparar a alienação parental à violência grave contra a criança. Essa é a brecha para os pedidos de prisão de mulheres que vêm acontecendo desde 2022. 

Este foi o ano em que aconteceu uma mudança na Lei de Alienação Parental. Ela passou a ter um dispositivo determinando que a criança vítima deve receber escuta especializada, assim como aquelas que sofrem grave violência, como estupro. 

Também em 2022, foi aprovada a Lei Henry Borel, que considera crime hediondo a violência doméstica e familiar contra menores de 14 anos. Ela, sim, prevê prisão preventiva dos acusados, mesmo antes do julgamento final. A lei foi sancionada após a morte do menino de 4 anos, espancado no apartamento em que morava com a mãe e o padrasto

Fazer com que a alienação parental seja considerada uma forma de violência doméstica e familiar, diz a advogada Ferreira, é a estratégia de muitos homens para criminalizar indiretamente uma prática que sequer é reconhecida mundialmente e pedir a prisão das mulheres. 

“É mais um massacre às mães e às crianças vítimas de homens violentos e abusadores”, ela criticou.

A situação pode se tornar ainda pior com a atualização do Código Civil Brasileiro. Uma comissão de juristas foi criada em 2023 para elaborar a nova proposta

Segundo Ferreira, o debate se encaminha para incluir os dispositivos da Lei de Alienação Parental na parte que trata do direito de família, mas sem mencionar essas palavras, já que o conceito de alienação parental não é bem aceito. 

Você pode entender melhor por que essa lei persiste no Brasil e como ela funciona na série de reportagens Em Nome dos Pais. Mergulhei por um ano em dezenas de processos movidos por homens acusados de violência doméstica ou estupro de vulnerável que acusavam as ex-mulheres de alienação parental. 


LEIA TAMBÉM

• ÁUDIOS: Juíza diz a vítima de violência doméstica que mulher pode apanhar do marido ‘mas ele ser excelente pai’

• Rica, famosa e vítima de agressão – nem Ana Hickmann escapa dos males da Lei de Alienação Parental

• Perda da guarda, patrimônio destruído e fama de louca: é isso que acontece quando mães denunciam pais por abuso sexual

• Psicólogos lucram com laudos contratados por pais e padrastos suspeitos de estuprar crianças

• ‘O juiz e o MP me fizeram deixar ele encontrar meus filhos’, diz mãe de crianças assassinadas pelo pai


Contei essas histórias em 2023, revelando as injustiças promovidas pela Lei de Alienação Parental e os nomes dos membros do sistema de justiça que contribuíram para retirar crianças das mães e entregá-las aos pais que respondiam por violência doméstica ou mesmo por estupro dos filhos. 

A lei até pode ser revogada se o novo Código Civil for aprovado como está sendo pensado, explicou a advogada, mas mães como Ana Hickmann, e outras milhares no Brasil, continuarão reféns de ex-maridos agressores ou abusadores.

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?

Apoie o Intercept Hoje

Inscreva-se na newsletter para continuar lendo. É grátis!

Este não é um acesso pago e a adesão é gratuita

Já se inscreveu? Confirme seu endereço de e-mail para continuar lendo

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar