João Filho

Milei, Trump e Bolsonaro: esqueça a tia do zap, a culpa é dos jovens

Eleição de Milei, na Argentina, e de Wilders, na Holanda, mostra força da extrema direita sobretudo entre jovens – no Brasil, mesmo inelegível, Bolsonaro continua forte.


Arte com celular mostrando os rostos de Trump, Bolsonaro, Milei e Wilders. Ilustração: Intercept Brasil

A extrema direita segue avançando no mundo. Nesta semana, um palhaço extremista que minimiza os horrores da ditadura militar e promete aniquilar o estado saiu vencedor das eleições na Argentina. Na Holanda, um populista racista e xenófobo que  ataca abertamente os islâmicos chamando Maomé de “estuprador” e o islamismo de “abrigo de estupradores” também foi eleito. 

No ano passado, a extrema direita não foi reeleita no Brasil por muito pouco, mas elegeu uma enorme base parlamentar e se consolidou como uma das principais forças políticas do país. Na Itália, Giorgia Meloni, herdeira política de Mussolini, tornou-se primeira-ministra. Na Alemanha, a AFD, grupo político herdeiro do nazifascismo de Hitler, cresce a cada eleição e hoje representa a segunda principal força política do país. Nos EUA, Donald Trump não se reelegeu, mas já aparece como forte favorito para o pleito do ano que vem. 

Em todos esses países, a fórmula eleitoral utilizada pela extrema direita é sempre a mesma: lideranças populistas se aproveitam de crises políticas e econômicas dos seus países para apresentar um discurso antissistema e oferecer soluções mágicas calcadas em pautas morais específicas de cada país. Quase sempre temos à frente das candidaturas extremistas um sujeito falastrão, inconsequente, que mobiliza o ódio do eleitorado apelando para as questões morais. A direita tradicional está sendo engolida pelos extremistas no mundo inteiro. 

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar

O radicalismo que até pouco tempo atrás era algo restrito, sem força e até motivo de chacota — vide a trajetória do deputado Jair Bolsonaro —, agora se consolida como uma vertente política importante. 

A rebeldia histriônica desses líderes extremistas tem seduzido o eleitorado jovem, que não se sente representado pelos partidos tradicionais e tende a abraçar iconoclastas da pior espécie. O populismo autoritário soube cooptar essa faixa da população se aproveitando da sua decepção com a democracia e com o medo proveniente de uma série de crises globais (econômica, política, climática, sanitária). 

LEIA TAMBÉM

Uma pesquisa feita em 30 países do mundo mostra que os jovens entre 18 e 35 anos são o grupo etário que menos acredita na democracia. Apenas 57% deles acreditam que a democracia é preferível a qualquer outra forma de governo. 42% acreditam que o regime militar é uma boa forma de governar o país, enquanto 35% apoiariam um líder forte que não respeite o Poder Legislativo e não preze por eleições livres.  

Os jovens insatisfeitos com a democracia se sentem atraídos pela rebeldia performática da extrema direita. Ocorre que, muitas vezes, o discurso antissistema é só um discurso. Milei, por exemplo, venceu a eleição prometendo erradicar “as castas”, mas já está de mãos dadas com elas. Quando eleitos, esses tipos podem até tentar subverter a democracia, mas sempre com o objetivo de manter os privilégios dos ricos e reduzir o poder do estado a pó. O status quo das elites permanece intacto e quem perde invariavelmente são aqueles que dependem dos serviços públicos oferecidos pelo Estado. Não é à toa que, em todos esses países, a extrema direita conta com apoio de setores importantes do grande capital. 

A história nos mostra que, em tempos de crises agudas, essa insatisfação da população com a democracia é sempre instrumentalizada pela extrema direita e nunca pela extrema esquerda — que também tem caráter antissistema e discurso revolucionário. Isso se deve justamente pelo fato da extrema direita contar com o apoio das elites, enquanto a extrema esquerda pretende erradicá-las. O extremismo de direita sempre foi uma possibilidade legítima para o grande capital em tempos de crise. A ascensão do nazismo na Alemanha nos anos 1930, por exemplo, não teria acontecido sem o apoio maciço dos grandes capitalistas.

Em alguns países, a extrema direita consegue subverter a democracia e implantar seus sonhos autoritários, como é o caso da Hungria de Viktor Orbán, que cassou licenças de grupos de mídia, corrompeu o Supremo Tribunal do país e se mantém de maneira autoritária no poder há 13 anos. Em outros, como no Brasil, eles causam estragos graves, mas não conseguem implantar suas autocracias e acabam se acomodando no jogo político. 

Apesar do discurso revolucionário, a extrema direita, apoiada no grande capital, também pode usar as instituições liberais a seu favor sem necessariamente golpear a democracia. O fato é que a democracia não é um princípio inegociável para a extrema direita. Se não for possível subvertê-la por completo, ela pode ser usada para atender suas pautas morais e proteger o grande capital. 

Quase sempre temos à frente das candidaturas extremistas um sujeito falastrão, inconsequente, que mobiliza o ódio do eleitorado apelando para as questões morais.

A extrema direita sempre esteve presente na política, acomodada nas fileiras dos partidos de direita e centro-direita. Bolsonaro é um exemplo. Quando as crises estouram, eles aparecem como novos messias para salvar a direita. Em linhas gerais, a direita e a extrema direita têm muitas pautas em comum: a defesa do livre mercado, da austeridade fiscal, das privatizações e do Estado mínimo. Tanto para os políticos da direita tradicional como para seus eleitores, não é tão difícil trocar de barco em tempos de tempestade. A afinidade está dada.

No Brasil, Bolsonaro está inelegível, mas o bolsonarismo está vivíssimo e governando estados importantes do país. A extrema direita fagocitou a direita tradicional com facilidade e chegará forte nas próximas eleições presidenciais. Apesar de ser autoritário e golpista, o bolsonarismo está consolidado como um ator legítimo dentro da disputa política do país e conta com apoio de parte relevante da população.

Entre erros e acertos, o atual governo mostra-se comprometido com a defesa das instituições e os valores democráticos, contrastando fortemente com o governo anterior. Mas, ao fim do primeiro ano do mandato de Lula, pesquisas mostram que, pela primeira vez, a avaliação negativa do governo superou a positiva. 

A comunicação continua sendo um setor em que a extrema direita continua ganhando de goleada. E, como vimos na última eleição, mais ou menos metade do eleitorado está disposta a abraçar novamente o bolsonarismo. O sinal de alerta está aceso mais do que nunca.

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?

Apoie o Intercept Hoje

Inscreva-se na newsletter para continuar lendo. É grátis!

Este não é um acesso pago e a adesão é gratuita

Já se inscreveu? Confirme seu endereço de e-mail para continuar lendo

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar