Fotos autor Leandro Demori.

Leandro Demori

Por que Bolsonaro arregou?

Por que se afastar dos intervencionistas que são, por natureza, seus eleitores? Por que pedir o fim da greve que lhe pareceu a onda perfeita pra culpar o atual governo e o PT ao mesmo tempo?

SÃO PAULO,SP,03.05.2018:BOLSONARO-PASSAGEM-COMANDO-EXÉRCITO - O pré-candidato do PSL a presidente da República, deputado Jair Bolsonaro participa da cerimônia de passagem de comando do Exército, no Comando Militar do Sudeste, em São Paulo (SP), nesta quinta-feira (3). (Foto: Paulo Lopes/Futura Press/Folhapress)

SÃO PAULO,SP,03.05.2018:BOLSONARO-PASSAGEM-COMANDO-EXÉRCITO - O pré-candidato do PSL a presidente da República, deputado Jair Bolsonaro participa da cerimônia de passagem de comando do Exército, no Comando Militar do Sudeste, em São Paulo (SP), nesta quinta-feira (3). (Foto: Paulo Lopes/Futura Press/Folhapress)

SÃO PAULO,SP,03.05.2018:BOLSONARO-PASSAGEM-COMANDO-EXÉRCITO – O pré-candidato do PSL a presidente da República, deputado Jair Bolsonaro participa da cerimônia de passagem de comando do Exército, no Comando Militar do Sudeste, em São Paulo (SP), nesta quinta-feira (3). (Foto: Paulo Lopes/Futura Press/Folhapress)

Texto publicado inicialmente na newsletter do The Intercept Brasil. Ainda não assina?

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar

A essa altura dos acontecimentos, todos vocês já sabem: Jair Bolsonaro arregou. No começo da greve dos caminhoneiros, ele disse que parar estradas era “extrapolar”. Logo depois, inesperadamente ele tuitou em solidariedade a quem parasse estradas:

Um ato bastante sindicalista vindo de quem tem um projeto de lei que prevê quatro anos de cadeia a quem… parar estradas. (Por sorte, como quase nenhum de seus projetos de lei, este também não foi aprovado.)

A novela teve ainda outra virada, com o candidato à Presidência se dizendo solidário aos grevistas mas pedindo que a greve acabasse.

Então ficamos assim em um espaço de tempo de poucos dias: condenou trancamento de estradas; prometeu revogar multas por trancamento de estradas; pediu que o trancamento de estradas acabasse.

É claro que Bolsie inicialmente apoiaria uma greve repleta de faixas em apoio à intervenção militar. Assim como também é claro que Bolsie cairia fora dessa mesma ideia quando ela se tornasse mais real do que apenas uma caricatura – as faixas e pedidos por intervenção se avolumaram mais do que o desejado pela propaganda.

O susto foi tão grande que Bolsie chegou a dizer que nunca apoiou intervenção, o que é mentira, mas também é verdade. Ele não desejaria uma ditadura agora, neste momento. Afinal, é líder nas pesquisas e tem a chance única – pelo ajuntamento caótico dos astros – de ter um poder que jamais teria caso alguns generais trapalhões decidissem dar um golpe de fato. Bolsonaro, em um distópico governo militar sem eleições, seria quando muito o mordomo do Palácio.

No Facebook, alguém me disse que aquilo tudo estava cheirando mal, como se Bolsie tivesse tomado um puxão de orelha de alguém acima na hierarquia. Afinal, por que se afastar dos intervencionistas que são, por natureza, seus eleitores? Pedir o fim da greve que lhe pareceu a onda perfeita pra culpar o atual governo e o PT ao mesmo tempo? A Piauí chegou a falar em infiltração militar nas manifestações, o que naturalmente preocuparia o establishment do Exército. Ninguém quer gente aloprada solta por aí. A tese faz sentido se formos confiar em arapongas brasileiros.

O que vocês acham que aconteceu? Peço que respondam a este texto com suas teorias da conspiração favoritas. Talvez elas façam mais sentido do que a própria realidade.

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?

Apoie o Intercept Hoje

Entre em contato

Conteúdo relacionado

Inscreva-se na newsletter para continuar lendo. É grátis!

Este não é um acesso pago e a adesão é gratuita

Já se inscreveu? Confirme seu endereço de e-mail para continuar lendo

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar