Donos do centro Esdras foram condenados em primeira instância por sequestro e cárcere privado.

Donos de comunidade terapêutica são condenados a 31 anos de prisão por sequestro e cárcere privado

Talita Assunção e Marcos Moglia eram proprietários da comunidade terapêutica Esdras. Internas ouvidas pelo Intercept narraram diversas agressões e até uma morte no local.

Donos do centro Esdras foram condenados em primeira instância por sequestro e cárcere privado.

Máquina de Loucos

Parte 4

A série revela como centros terapêuticos lucram com a internação de usuários de drogas sem oferecer um tratamento adequado para a reabilitação. Em alguns casos, há agressão aos internos, tortura, dopagem e prática de intolerância religiosa.


Os dois proprietários da comunidade terapêutica Esdras foram condenados à mesma pena de 31 anos, sete meses e cinco dias de prisão por sequestro e cárcere privado, em sentença dada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, no último dia 4 de março. 

Talita Assunção e Marcos Moglia estavam presos desde fevereiro de 2023, quando uma força-tarefa coordenada pelo Ministério Público estadual fechou o centro, localizado na cidade de Cajamar, a 29 quilômetro da capital.

Além de Moglia e Assunção, Lidiane Katia de Carvalho, coordenadora geral do centro Esdras, também foi condenada na mesma ação. Sua pena é de 28 anos, dois meses e 10 dias. Os réus também deverão indenizar seis vítimas por danos morais, no valor de R$ 20 mil, cada uma. 

Todas as condenações foram em primeira instância, ou seja, ainda cabe recurso.

O Intercept Brasil contou os horrores vivenciados dentro do centro Esdras em duas reportagens da série especial Máquina de Loucos

Na primeira, as internas relataram sofrer agressão, tortura física e psicológica, ser submetidas a medicação sem prescrição médica, obrigadas a praticarem trabalhos forçados, sofrer intolerância religiosa, além de vigilância constante para não deixarem o espaço. 

Na segunda publicação, narramos o sofrimento de dona Marli Alves, que internou a filha Milena Eduarda de Paula Leocádio para reabilitá-la do vício em álcool e cocaína. A filha, no entanto, saiu de lá morta, na antevéspera da chegada do ano de 2022. 


LEIA TAMBÉM


O laudo do Instituto Médico Legal apontou que o corpo de Milena tinha diversas marcas de espancamento e que sua morte foi em decorrência de  “insuficiência respiratória e intoxicação medicamentosa”. 

Em seu sangue, havia a presença de oito substâncias diferentes – entre antipsicóticos, benzodiazepínicos e um antialérgico. 

Uma ex-funcionária do centro entrou em contato com dona Marli para contar que a paciente havia sofrido ataques dentro do Esdras. Milena teria sido amarrada, agredida e sufocada com uma meia na boca para abafar os gritos. 

A delegacia responsável pelo caso levou 12 meses para abrir o inquérito e investigar a morte de Milena – e até hoje não indiciou os suspeitos. Esse caso, portanto, não integra o processo em que Talita, Marcos e Lidiane foram condenados neste mês.

Na denúncia do MPSP que respaldou a condenação, Talita e Marcos são apontados como mentores de uma “organização criminosa”, com o intuito de obter “vantagem econômica”. 

Os funcionários do centro, “orientados pelos donos”, atuavam de forma a manter o “terror interno” e a “lucratividade do negócio”, ainda de acordo com o MPSP.

O centro era um espaço evangélico, que aceitava apenas pacientes do sexo feminino e prometia reabilitação para usuárias de drogas. Para uma internação de seis meses, o valor girava em torno de R$ 10 mil – itens de higiene, cigarro e alimentação eram cobrados por fora.

As pacientes ouvidas pelo Intercept contaram que os cultos evangélicos eram obrigatórios e que, próximo às eleições, os pastores chegaram a pedir apoio explícito a Jair Bolsonaro, então presidente da República, em campanha para renovar o mandato.

Outro lado

Procuramos os representantes dos três condenados em primeira instância para ouvir o posicionamento deles. Por telefone, falamos com o advogado Luiz Gustavo Silva Pinto, que representa Talita Assunção. 

Ele disse não entender como tivemos acesso à decisão – uma vez que o processo está sob segredo de justiça – e informou que seu sócio, Tiago Miranda Cunha, retornaria por WhatsApp – o que não aconteceu até o fechamento da reportagem. 

Jairo Coneglian, que representou Marcos Moglia, disse que foi dispensado pelo cliente e que nos passaria o contato do novo advogado. Ele também informou que Moglia pretende recorrer da pena. 

Não conseguimos localizar o advogado de Lidiane Katia de Carvalho para ouvir sua versão.

URGENTE! O Intercept está na linha de frente na luta por justiça pelo brutal assassinato de Marielle Franco.

Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, é apontado como mandante desse atentado. Revelamos que Ronnie Lessa, ex-policial militar envolvido, delatou, mas a homologação pelo STJ enfrenta obstáculos devido ao foro privilegiado de Brazão.

Sua doação é crucial para impulsionar investigações e ações legais. A verdade não pode mais ser silenciada. Faça sua doação agora!

FAÇA PARTE

Faça Parte do Intercept