João Filho

Todos os problemas das mensagens golpistas de Bolsonaro para o dono da Tecnisa

A relação com o empresário Meyer Nigri foi minimizada por Jair Bolsonaro – mas a gente mostra exatamente quais são.

Ilustração: Intercept Brasil

Arte sobre na foto na qual Jair Bolsonaro aparece segurando um telefone celular. Ilustração: Intercept Brasil

As provas dos crimes cometidos por Jair Bolsonaro estão se avolumando. A situação do ex-presidente vem se complicando em todas as muitas frentes de investigação abertas pela Polícia Federal. Do roubo de joias à incitação ao golpe, tudo já está comprovado pelos investigadores. Não há mais para onde correr!

Nesta semana, mais provas cabais surgiram para atormentar o bolsonarismo. Na investigação que apura o envolvimento de empresários com a tentativa de golpe de estado, a PF encontrou no celular do empresário Meyer Nigri, dono da empreiteira Tecnisa, mensagens enviadas por Bolsonaro com ataques ao STF e notícias falsas sobre as urnas eletrônicas. Ao final das mensagens, Bolsonaro ordenou: “Repasse ao máximo”. O empresário cumpriu a ordem e respondeu prontamente que já havia repassado a diversos grupos de Whatsapp. “O STF será o responsável por uma guerra civil no Brasil”, dizia uma das mensagens.

Um levantamento feito por Pablo Ortellado, coordenador do Monitor do Debate Político no Meio Digital da USP, revelou o caminho feito pelas mensagens enviadas pelo empresário. As informações falsas foram compartilhadas por pelo menos seis aliados de Bolsonaro e canais da extrema direita, que somam 320 mil seguidores. Isso significa que o então presidente da República foi o responsável direto por disseminar as mentiras que colocavam em dúvida a lisura do processo eleitoral. Foi ele o difusor inicial. Foram essas mensagens que ajudaram a insuflar o espírito golpista dos bolsonaristas que destruíram os prédios dos Três Poderes no 8 de janeiro. Encalacrado pelos fatos, Bolsonaro acabou confessando o crime com ar de deboche: “Eu mandei para o Meyer, qual o problema?”.  

A descoberta de que o dono da Tecnisa espalhou as mensagens golpistas a mando de Bolsonaro fez o STF prorrogar a investigação sobre ele. Segundo um relatório da Polícia Federal, existe “uma relação entre a família do ex-presidente Jair Messias Bolsonaro e o empresário”. A relação entre os dois começou em 2016, quando Nigri fez a ponte entre o então candidato com a comunidade judaica e se dispôs a ajudá-lo com a pré-campanha presidencial. Quando Bolsonaro foi esfaqueado, foi Nigri quem providenciou um avião particular para levar um médico cirurgião para Juiz de Fora. 

Durante o mandato bolsonarista, a influência do empresário sobre o governo foi grande, tendo feito ao menos três indicações para cargos de alto escalão: Ricardo Salles para o ministério do Meio Ambiente, Nelson Teich para a Saúde e Fabio Wajngarten para a Secretaria Especial de Comunicação da Presidência. O empresário também tinha trânsito livre com Paulo Guedes, para quem telefonava diretamente. 

Meyer Nigri, dono da empreiteira Tecnisa, colheu frutos com a boa relação com o governo Bolsonaro. Foto: Zanone Fraissat/Folhapress

Até mesmo a escolha de Augusto Aras para a Procuradoria-Geral da República teve o dedo do dono da Tecnisa. No discurso de posse, Aras citou o empresário nominalmente, a quem agradeceu e chamou de “amigo”. Mas essa amizade, claro, não era pura e verdadeira. Na última quinta-feira, o UOL revelou o conteúdo de um diálogo interceptado pela PF no celular do empresário. Quando Nigri tomou conhecimento pelo noticiário de que era alvo de investigação por divulgar mensagens golpistas, acionou seu amigo Aras pelo Whatsapp. O procurador então mobilizou a cúpula da PGR para proteger o empresário. Três semanas depois, o órgão pediu ao STF o trancamento da investigação aberta contra Nigri e a anulação de uma operação de busca e apreensão deflagrada pela Polícia Federal. 

Foram também identificados diálogos do empresário com um assessor da PGR e a existência de um encontro dele com a vice-procuradora-geral da República, Lindôra Araújo. Ou seja, além de indicar ministros, ter acesso livre ao Ministério da Economia e atuar como garoto de recados golpistas do presidente, Nigri usava a estrutura da PGR para receber serviços particulares de advocacia. Era esse o nível de promiscuidade da relação entre o empresário e o governo. 

LEIA TAMBÉM

As provas levantadas pela PF não deixam dúvidas de que o então presidente se valeu do poder do cargo para liderar uma conspiração golpista. Foram os argumentos contidos nas mensagens disparadas por ele que sustentaram as ações violentas dos movimentos golpistas na reta final da eleição e no atentado de 8 de janeiro contra o governo eleito. 

’Quando Bolsonaro foi esfaqueado, foi Nigri quem providenciou um avião particular para levar um médico cirurgião para Juiz de Fora’.

A articulação golpista contou com o apoio de empresários, especialmente do empresário que tinha interesse na manutenção de um governo em que dava as cartas. Além deles, muitos outros personagens tiveram participação na trama golpista: as Forças Armadas, um hacker, a Polícia Rodoviária Federal, a PGR e parlamentares bolsonaristas. Quanto mais a investigação avança, mais claro  fica o papel de liderança de Bolsonaro na tentativa de golpe de estado.  

Diante de todas essas revelações, Bolsonaro pergunta: “Qual é o problema?”. Bom, certamente ele terá tempo de sobra na cadeia para encontrar a resposta.  

URGENTE! O Intercept está na linha de frente na luta por justiça pelo brutal assassinato de Marielle Franco.

Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, é apontado como mandante desse atentado. Revelamos que Ronnie Lessa, ex-policial militar envolvido, delatou, mas a homologação pelo STJ enfrenta obstáculos devido ao foro privilegiado de Brazão.

Sua doação é crucial para impulsionar investigações e ações legais. A verdade não pode mais ser silenciada. Faça sua doação agora!

FAÇA PARTE

Faça Parte do Intercept