João Filho

Ricardo Nunes: o bolsonarista nutella, cheio de esqueletos no armário

Prefeito de São Paulo busca a reeleição se aliando a Jair Bolsonaro – e, assim como ele, combina histórico de mau uso do dinheiro público e uma administração inexpressiva.

Entrevista do Prefeito de São Paulo Ricardo Nunes.

Entrevista do Prefeito de São Paulo Ricardo Nunes.
Ilustração: Intercept Brasil; Agência Brasil

Ninguém conhece bem Ricardo Nunes, do MDB, prefeito de São Paulo. Nem os paulistanos. Mas o bolsonarismo o conhece muito bem. Bolsonaro e seus aliados têm tido encontros frequentes com o prefeito para traçar estratégias para a próxima eleição municipal no ano que vem e também para a presidencial em 2026. 

PL, PP, Republicanos e União Brasil acreditam que a disputa no maior colégio do país será um laboratório para as eleições presidenciais. Sabendo que Bolsonaro está inelegível, os bolsonaristas querem estar junto com Nunes em sua possível reeleição, garantindo cargos na prefeitura paulistana e acumulando forças para o pleito presidencial. 

Apesar de ser do MDB, partido da base do governo Lula, Ricardo Nunes é aquele tipo de político de direita que corre pro lado que for mais conveniente no momento. Entrou na política pelos braços de Milton Leite – um quadro de direita bastante influente na capital paulista e já foi presidente da Câmara Municipal por 5 vezes.

Quando se elegeu pela primeira vez como vereador em São Paulo em 2012, Nunes foi um aliado do PT durante a gestão do então prefeito Fernando Haddad. A partir de 2016, se tornou aliado da gestão tucana de João Doria. Em 2020, Bruno Covas o escolheu para ser o seu vice. Depois da morte do tucano, o emedebista se tornou prefeito.

A trajetória de Nunes na política é curta, mas muito bem sucedida. Mudou de lado todas as vezes que foi necessário, mas ideologicamente sempre esteve à direita. Apesar de ser considerado um direitista moderado, a aproximação de Nunes com os fascistoides do bolsonarismo demonstra que ele topa qualquer negócio. Tudo indica que o principal adversário de Nunes na próxima eleição municipal será Guilherme Boulos, do Psol, que será apoiado pelo PT. Como o bolsonarismo ainda é a corrente mais forte dentro da direita, Nunes não pensou duas vezes antes de se aconchegar no ninho dos extremistas. 

Ninguém conhece Nunes em São Paulo não apenas por causa do seu perfil discreto, mas por ser um prefeito ruim, omisso e que não possui nenhuma marca positiva na sua gestão. A cidade piorou vertiginosamente em praticamente todos os quesitos nos últimos anos. 

O centro está abandonado, a cracolândia se espalhou pela cidade, os moradores de rua se multiplicam, as ruas estão sujas, os buracos no asfalto abundam e o trânsito tem piorado. A maioria dos paulistanos concorda que não há zeladoria na cidade. Para tentar reverter a falta de popularidade, Nunes tem recorrido à velha tática eleitoreira de abrir os cofres para torrar com publicidade. Ainda nem chegamos no ano eleitoral, mas sua gestão já torrou R$ 385,2 milhões em propaganda nos dois primeiros anos de mandato. Trata-se do maior gasto publicitário da prefeitura em 12 anos. 

Ricardo Nunes é aquele tipo de político de direita que corre pro lado que for mais conveniente.

Além de desperdiçar o dinheiro do povo paulistano promovendo uma gestão que nada entrega ao povo paulistano, Nunes também tem se beneficiado por uma superexposição da sua imagem patrocinada pelos partidos da sua coalizão. Segundo uma reportagem da Folha, uma série de anúncios de propaganda partidária do MDB e do União Brasil — pagos com grana do fundo partidário — começaram a ser veiculados em canais da TV aberta. A coisa está em um nível tão bizarro que em um mesmo intervalo é possível ver tanto as propagandas dos partidos quanto as da administração comandada pelo prefeito. 

Sem ter serviço pra mostrar, as propagandas mostram as pequenas coisas que ele fez, como as pouquíssimas obras de recapeamento. Em uma busca desesperada por criar uma marca da sua gestão, em junho do ano passado, Nunes lançou um programa bilionário de recapeamento. A promessa era de recapear 20 milhões de metros quadrados, mas até agora nem um terço foi feito ou contratado e a meta não será atingida nesse ritmo. Pela falta do que falar, as propagandas abusam de platitudes que não dizem nada. Em uma delas, o prefeito aparece falando: “Sabemos que a nossa cidade tem grandes desafios e é trabalhando que enfrentamos todos eles”. 

A aproximação entre Nunes e Bolsonaro não se deu apenas por pragmatismo eleitoral, mas também por afinidade ideológica. Quando foi vereador, Nunes fez parte da bancada religiosa na Câmara Municipal, performando o católico fervoroso que luta contra a famigerada “ideologia de gênero” — essa invenção da extrema direita para assustar a população. “Eu sou pela sua família, gênero não”, gritou o então vereador na Câmara em 2015. Nunes também foi coautor de um projeto de lei que implementaria a “Escola sem Partido” — outro delírio fabricado pelo bolsonarismo.  

Relações estranhas com o dinheiro público

A hipocrisia com o trato do dinheiro público também une Nunes a Bolsonaro. Ambos posam de zelosos com o dinheiro público, mas têm muitos esqueletos no armário.

O prefeito tem forte influência sobre as creches que mantêm convênios com a prefeitura, o que motivou uma investigação do Ministério Público de São Paulo. Há denúncias de superfaturamento no aluguel de creches. Segundo a promotoria, Nunes foi favorecido por meio de sua relação com a Sociedade Beneficente Equilíbrio de Interlagos, a Sobei, que recebe da prefeitura R$ 329 mil mensais para pagamentos de aluguéis de creches. 

Em outro caso de favorecimento, a empresa Nikkey foi contratada pela prefeitura sem licitação para prestar serviços de dedetização em oito creches. Sabe quem são as donas da Nikkey? A mulher e a filha de Ricardo Nunes,  ora vejam só. Detalhe: essas oito creches são administradas por aliados políticos do prefeito. Elas são controladas pela Associação Amigos da Criança e do Adolescente, cuja presidente é uma ex-funcionária de Nunes e o vice-presidente é pai de sua ex-assessora. Está tudo em casa. 

A aproximação de Nunes com os fascistoides do bolsonarismo demonstra que ele topa qualquer negócio.

A organização Nova Esperança foi contratada por Ricardo Nunes meses após ele assumir a prefeitura. Uma reportagem do Intercept mostrou que a associação abocanhou um contrato de R$ 335 milhões para gerenciar e executar, por um ano, ações e serviços em 45 unidades da Secretaria de Saúde do Município de São Paulo. 

A Nova Esperança foi contratada também para a missão de recuperar usuários de drogas que frequentam a cracolândia através de internações voluntárias, involuntárias e compulsórias — um método rechaçado por qualquer especialista em saúde mental.  Detalhe: Nunes firmou contrato milionário com a organização mesmo depois de saber que ela esteve envolvida no esquema de corrupção que levou ao afastamento do governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel e à prisão do Pastor Everaldo. 

Essas são as credenciais do prefeito de São Paulo – o mais novo parceiro do bolsonarismo. O perfil discreto e a atuação medíocre na prefeitura contribuíram para que a sua trajetória conturbada na política não ficasse tão exposta. Apesar do seu nome já ter se envolvido no que há de pior na política brasileira, Nunes consegue posar de direitista moderado. Mas o fato é que ele historicamente sempre esteve mais alinhado ideologicamente à extrema direita, tanto nos valores, quanto nas práticas obscuras da administração pública.

URGENTE! O Intercept está na linha de frente na luta por justiça pelo brutal assassinato de Marielle Franco.

Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, é apontado como mandante desse atentado. Revelamos que Ronnie Lessa, ex-policial militar envolvido, delatou, mas a homologação pelo STJ enfrenta obstáculos devido ao foro privilegiado de Brazão.

Sua doação é crucial para impulsionar investigações e ações legais. A verdade não pode mais ser silenciada. Faça sua doação agora!

FAÇA PARTE

Faça Parte do Intercept