Plataforma da Petrobras. Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

‘É uma contradição continuar investindo em pré-sal como uma forma de desenvolver o Brasil’, diz Sabrina Fernandes  

Em entrevista ao Intercept, Sabrina Fernandes aponta caminhos para uma saída ecológica e socialmente justa em momentos de calamidade climática.

Plataforma da Petrobras. Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

Mudanças climáticas e deslocamentos de pessoas impactadas por eventos extremos estão cada vez mais conectados. Vimos cenas assim nas enchentes do Rio Grande do Sul. Para falar sobre esse e outros temas ligados ao colapso climático e a urgência de respostas do estado, o Intercept Brasil entrevistou a socióloga Sabrina Fernandes.

Sabrina Fernandes. Foto: Divulgação
Sabrina Fernandes. Foto: Divulgação

Fernandes, colunista do Intercept, traça caminhos para o que seria uma boa resposta em casos como o do Rio Grande do Sul, que ela chama de calamidade climática e humanitária. “Alguns princípios de justiça socioeconômica são essenciais para dar respostas à tragédia. Uma renda universal faria muito mais sentido agora”, enfatiza.

“É um momento de pensar o que é o programa ‘Minha Casa, Minha Vida’ em um contexto de calamidade climática, de adaptação. O MTST tem boas experiências que podem ser destacadas aqui para reconstrução de moradias de um modo mais ecológico”.

Ela defende também um modelo de justiça tributária planejado para que o país tenha o nosso próprio fundo de perdas e danos – e com isso entrarmos em uma lógica de reparação. “Eu não acredito que o caminho do saque calamidade é adequado para um princípio de justiça socioeconômica, sair lançando linhas de crédito é um caminho adequado porque aqui estamos falando de pessoas que vão ter que se endividar de uma forma ou de outra”.

LEIA TAMBÉM:

Modelos de reconstrução pós-calamidade

Segundo a socióloga, existem três modelos a evitar nessa fase de reconstrução:

O modelo adotado por Nova Orleans após o furacão Katrina. O governo decidiu contratar empresas de consultoria para a reconstrução do estado, resultando em um modelo urbano mais segregado, excluindo os mais pobres, que foram justamente os mais afetados pela furação. 

O modelo em curso na Ucrânia por conta da guerra com a Rússia. É um modelo similar com o de Nova Orleans, porém com a diferença que os empresários utilizam investimentos do estado para minimizar os riscos, podendo levar a mais privatização de serviços básicos.

O modelo do Líbano, que por conta de uma sequência de guerras e conflitos acabou normalizando a lógica do voluntariado e uma ‘onguização’ de serviços que o estado deveria prover.

Contradições

“É nossa responsabilidade chamar atenção para algumas contradições, algumas políticas que prejudicam a população do Rio Grande do Sul e de todo o Brasil, que se torna cada vez mais vulnerável às mudanças climáticas, se a gente continua investindo em uma lógica de pré-sal como uma forma de desenvolver o Brasil”, explica Fernandes. 

A socióloga também questiona o conceito de refugiados climáticos, que ela não considera adequada para tratar do que está acontecendo no Rio Grande do Sul agora. Ela enfatiza a necessidade de o Brasil pensar políticas públicas voltadas para pessoas que tiveram que se deslocar internamente por conta das mudanças climáticas, enquanto a discussão sobre refugiados climáticos não avança para a criação de uma convenção internacional.

Segundo a agência da ONU para Refugiados, a Acnur, os desastres relacionados ao clima provocaram mais da metade dos novos deslocamentos relatados em 2022.

Assista a entrevista completa com Sabrina Fernandes:

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?

QUERO APOIAR

Inscreva-se na newsletter para continuar lendo. É grátis!

Este não é um acesso pago e a adesão é gratuita

Já se inscreveu? Confirme seu endereço de e-mail para continuar lendo

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar