S.O.S. Intercept: Lançamos uma campanha para resistir aos ataques contra o jornalismo independente

S.O.S. Intercept: Lançamos uma campanha para resistir aos ataques contra o jornalismo independente

O Intercept Brasil enfrenta ameaças sem precedentes e precisa arrecadar R$ 250 mil até o final de maio.

S.O.S. Intercept: Lançamos uma campanha para resistir aos ataques contra o jornalismo independente

Às vezes parece que há tantas notícias ruins que é difícil saber se devemos correr para o local do problema, gritar a plenos pulmões ou nos esconder debaixo do travesseiro. 

No momento em que escrevo este texto:

  • A maior parte do Rio Grande do Sul está debaixo d’água, com famílias lutando para sobreviver. Isso, graças a decisões políticas irresponsáveis que aceleram a mudança climática e cortam o orçamento de medidas que diminuíram seus impactos;
  • Israel rejeitou uma oferta de cessar-fogo e está lançando sua invasão em Rafah, há muito tempo ameaçada, e o último refúgio para mais de 1 milhão de civis em Gaza. E isso, apoiado por potências estrangeiras, como os EUA, e grande parte da mídia;
  • Os golpistas da extrema direita bolsonarista estão se articulando com a extrema direita no Vale do Silício e no Congresso dos EUA para se transformarem em vítimas e heróis, em uma inversão narrativa digna de George Orwell.

E isso não é à toa. Tudo calculado, já que há eleições importantes se aproximando em poucos meses. 

Mas, meus amigos e amigas, posso assegurar vocês que, embora às vezes seja sombria, a situação não é desesperadora. Mais do que nunca, precisamos nos unir para botar no holofote tudo o que é corrupto e vil, definir os melhores caminhos a seguir e lutar para que um mundo melhor se torne realidade. 

Para cada sinal de escuridão, me comovo por muitos outros sinais de esperança, como a imensa manifestação de solidariedade de todo o Brasil com as vítimas das enchentes no RS. Foi assim também com Mariana e Brumadinho, na pandemia… tem gente boa por aí sim. 

Essas pessoas sabem que agora não é hora de desviar nossa atenção e nos escondermos da realidade. Precisamos ajudar as vítimas de hoje e forçar os que estão no poder a se mover para que essas tragédias evitáveis não aconteçam mais.

Foi por isso que fundamos o Intercept Brasil oito anos atrás e é isso que nossa corajosa equipe de jornalistas se propõe a fazer todos os dias no trabalho.

Temos o compromisso de revelar o que os outros não podem ou não querem e apoiar as pessoas corajosas que estão na linha de frente dessas batalhas, enfrentando as forças mais poderosas de nosso país e do nosso mundo.

Nossa redação é única porque é majoritariamente financiada por pequenas doações de nossos leitores, como você. Essas doações nos permitem produzir um jornalismo de alto impacto que não existiria de outra forma e é disponível gratuitamente para todos, ricos ou pobres. 

Quando estamos preparando um furo jornalístico, não precisamos temer o que nossos anunciantes corporativos iriam pensar – porque não temos anunciantes!

É por isso que estamos lançando uma ambiciosa campanha de arrecadação em maio: S.O.S. Intercept. 

O Brasil precisa de mais jornalismo investigativo e o Intercept Brasil precisa da sua ajuda para contar as histórias que o mundo precisa ouvir. Por favor, contribua com R$ 20 hoje e nos ajude a atingir nossa importante meta.

Olha, infelizmente, está ficando cada vez mais difícil cumprir nossa missão de fazer um jornalismo destemido e sem rabo preso. Os ricos e poderosos, responsáveis pelos problemas que o Brasil enfrenta, estão se unindo contra nossa redação e o jornalismo independente como um todo. 

Nosso alcance nas mídias sociais e no Google foi drástica e arbitrariamente reduzido. 

Nossa atenção e nossos recursos estão sendo cada vez mais alocados para lutar contra os mais de duas dúzias de ações judiciais. Um claro movimento de assédio judicial para nos calar.

E o financiamento filantrópico para o jornalismo secou de repente desde que o Brasil foi despriorizado quando Lula assumiu a presidência – como se todos os problemas fossem resolvidos de um dia para o outro simplesmente pelo Bolsonaro não estar mais à frente do país. 

Como resultado de tudo isso, as doações que recebemos mensalmente dos associados também diminuíram. O que significa que temos menos recursos para nos dedicar a investigações que mudam o jogo. Isso é muito preocupante e ameaça nossa capacidade de permanecer viável. 

No entanto, nossa fantástica equipe continua a produzir contribuições valiosas para a sociedade. Mesmo com o cobertor curto nós:

  • Revelamos detalhes exclusivos de um grande golpe, parte do projeto global de poder de Edir Macedo na Igreja Universal. E isso mesmo depois de ele ter enviado a polícia de São Paulo para nos investigar criminalmente;
  • Demonstramos como os governos estadual do Rio Grande do Sul e federal ignoraram um plano encomendado há mais de uma década que teria salvado inúmeras vidas;
  • Expusemos como um projeto de infraestrutura de mineração e agronegócio no Maranhão pretende tomar 87% do território de um quilombo e os moradores nem sequer sabiam;
  • Denunciamos abusos chocantes contra crianças autistas em um abrigo em Curitiba, desencadeando nada menos que seis investigações – policiais e administrativas.

E, veja bem, esse é apenas alguns dos trabalhos importantes que fizemos apenas nas últimas duas semanas, mesmo com o orçamento mais apertado do que nunca! Imagine o que poderíamos fazer se apenas 1% dos nossos leitores se tornasse apoiador mensal do nosso jornalismo?

Agora, imagine também quantos abusos, escândalos e crimes não serão denunciados e ficarão impunes se nosso orçamento continuar a diminuir ou, pior ainda, se o Intercept Brasil for forçado a fechar as portas?

Confesso que vamos enviar vários e-mails pedindo apoio no próximo mês, mas, se você fizer uma doação hoje, prometemos que não te enviaremos mais esses e-mails com pedidos, apenas as notícias, análises e informações que mais te interessam. Qualquer quantia é uma grande ajuda. 

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?

QUERO APOIAR

Inscreva-se na newsletter para continuar lendo. É grátis!

Este não é um acesso pago e a adesão é gratuita

Já se inscreveu? Confirme seu endereço de e-mail para continuar lendo

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar