Vozes

Eduardo Leite pede pix em vez de abrir os cofres

O governo do Rio Grande do Sul tem a obrigação perante os gaúchos de gastar adequadamente para prevenir enchentes e mitigar seus danos. Mas Eduardo Leite preferiu pedir pix.


O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), em evento após sua reeleição. Hoje, seu estado está debaixo d’água e seu governo em crise. (Foto: Marcelo Chello/Folhapress)

Ainda no colégio aprendemos que ações produzidas por fenômenos da Natureza formam frases sem sujeito. ‘Choveu!’, ‘Fez sol’. Pois bem, é essa interpretação que vigora, quando noticiamos os efeitos da mudança do clima.

Por mais que tentemos argumentar sobre a responsabilidade social e histórica das alterações junto ao ambiente, quando a manchete lança a fatídica ‘mudança climática’, pronto, é um fenômeno da natureza e, portanto, uma catástrofe messiânica, um desígnio dos deuses.

As informações sobre as mudanças climáticas circulam intensamente há ao menos 20 anos.

Em 25 de abril, a MetSul Meteorologia divulgou uma série de modelos com projeções das chuvas para o final de abril e começo de maio que atingiriam em cheio o RS, apontando que, em poucos dias, poderiam chover o equivalente mensal em diversas cidades gaúchas, incluindo Porto Alegre.

LEIA TAMBÉM:

A notícia dava conta de que em muitas cidades o volume de água seria acima de 150mm. Em meio a essa imensa destruição anunciada, o então governador do estado Eduardo Leite, do PSDB, surge pedindo doações em dinheiro aos brasileiros.

Ele, representante do executivo estadual, executor do orçamento do Rio Grande do Sul, aquele que pôde e pode lançar mão de créditos suplementares, afora telefonemas para o governo federal e lideranças privadas de toda a região, pediu um pix.

No Orçamento Anual os recursos para ‘Aparelhar a Defesa Civil’ somaram míseros R$ 50 mil.

Leite vem a público com a chave pix para doações, como se fosse representante de uma ONG, ou de uma família presa em meio ao turbilhão das chuvas.

Ao ser entrevistado ao vivo no Jornal Nacional, Eduardo Leite foi completamente eximido da falta de planejamento à frente do poder executivo do estado do Rio Grande do Sul. Criando uma nova espécie de fenômeno da natureza: o político sem legenda, tampouco responsabilidade.

Dos aproximadamente R$ 66 bilhões disponíveis pelo orçamento às ações do governo do estado do RS para o ano de 2024, 28% deles, R$18,5 bilhões, destinam-se para manutenção e custeio da máquina pública e investimentos amplos.

Desses R$ 18,5 bilhões disponíveis, 0,01% foram destinados para a atualização do sistematiza de gestão da defesa civil estadual.

Ainda segundo a LOA, a Lei Orçamentária Anual, aprovada pelo legislativo gaúcho para esse ano, os recursos para ‘aparelhar a defesa civil com equipamentos necessários para atuação preventiva e de resposta em situações de emergência’ somaram míseros R$ 50 mil.

A título de comparação, um bote salva-vidas utilizado por voluntários nos resgates das pessoas isoladas sobre telhados de casas, custa, em média, R$ 10 mil.

Entre meados de 2020 e o primeiro semestre de 2023, o RS foi assolado por uma estiagem histórica e fora dos padrões, levando a perdas históricas num dos maiores produtores de commodities do país, mesmo assim o orçamento proposto e aprovado no estado ‘para Minimizar os efeitos da estiagem, maior desastre natural que tem afetado o estado do Rio Grande do Sul nos últimos anos’ foi de R$ 10 mil.

O mesmo valor de R$10 mil foi destinado à agricultura sustentável, para criação de sistema de acumulação de água, assim como para atualização da Política Estadual de Gestão Integrada de Riscos e Desastres, o Segird.

Somando os valores destinados a minimização dos efeitos da estiagem, agricultura sustentável, alcançamos 0,0001% dos recursos disponíveis para manutenção custeio, e investimentos do estado. Já os novos equipamentos para ações preventivas e de emergência resultam um pouco mais, 0,0003% dos recursos disponíveis ao governo Eduardo Leite.

É o cúmulo do pânico fiscal negar a utilização dos instrumentos econômicos do estado em meio a uma tragédia anunciada como essa.

Os recursos destinados para 2024 no RS para a manutenção, investimento e atualização das estruturas diretamente ligadas à prevenção e atuação em casos extremos não alcança 0,5% dos recursos disponíveis.

O debate econômico já pauta se o Estado do RS será ou não responsável fiscalmente, mesmo não restando mais Estado para ser administrado

Isso porque em setembro do ano passado, após quase três anos de estiagem severa, o RS recebeu um volume de chuvas 203% acima da média histórica para o período, segundo o INMET, totalizando mais de 50 mortos.

Dessa forma, Eduardo Leite foi pego de surpresa em 2020, 2021, 2022, 2023 e agora, novamente, em 2024! Talvez em 2025, talvez não, ele acorde para a necessidade de se precaver para enchentes.

O debate econômico já pauta se o estado do RS será ou não responsável fiscalmente, mesmo não restando mais estado para ser administrado. Invocando, na verdade, a pobreza do pensamento econômico ortodoxo alçado como biruta dos deuses, apontando sempre em direção à economia dos recursos gerados socialmente em busca de sua melhor valorização privada.

Mesmo diante de um estado varrido do mapa, a competência em economizar sobre os escombros, persiste. É essa lógica social e economia dos recursos coletivos que se alimentam as tragédias que se adensarão rapidamente, como já vivemos.

É desse tipo de política privada à frente da gestão pública que milhares perderão suas vidas e suas casas, agudizando o estado atual de concentração de renda de um lado e vulnerabilidade social de outro.

No final das contas, a economia é um fenômeno da natureza, insaciável e ingovernável, ao gestor público só cabe economizar os recursos criados socialmente e valorizá-los para no futuro economizá-los novamente. Se há algo acima da natureza, só a economia.

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?

Apoie o Intercept Hoje

Inscreva-se na newsletter para continuar lendo. É grátis!

Este não é um acesso pago e a adesão é gratuita

Já se inscreveu? Confirme seu endereço de e-mail para continuar lendo

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar