'Fica nesse chão aí, seu bosta': crianças autistas sofrem abusos em abrigo da prefeitura de Curitiba 

'Fica nesse chão aí, seu bosta': crianças autistas sofrem abusos em abrigo da prefeitura de Curitiba 

Funcionários relatam condições precárias, episódios de violência e descumprimento do ECA e da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência.

'Fica nesse chão aí, seu bosta': crianças autistas sofrem abusos em abrigo da prefeitura de Curitiba 

“Me levaram lá pra cima, me amarraram no colchão e ela colocou uma meia na minha boca”, diz Miguel, um menino de 12 anos, em um áudio obtido pelo Intercept Brasil. Ele se refere a duas funcionárias da Casa do Piá 1, abrigo para menores em Curitiba onde passou a morar depois que foi tirado da família por ordem judicial. 

Miguel foi destituído do pai e da mãe porque ambos eram dependentes químicos. Junto dele, na Casa do Piá 1, vivem meninos de 7 a 14 anos com históricos de violência variados. Muitos sofreram abuso sexual ou maus-tratos. Alguns cumprem medidas socioeducativas. Grande parte apresenta transtornos do neurodesenvolvimento, como autismo. Outros não têm laudo psiquiátrico. 

E, agora que estão sob a tutela do estado, essas crianças e adolescentes também são alvos de violência institucional, mostram áudios, fotos e vídeos, além de relatos, obtidos pelo Intercept.

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar

Atualmente, a Prefeitura de Curitiba possui cinco abrigos institucionais que acolhem meninos de 7 a 17 anos afastados de suas famílias ou responsáveis por ordem da Justiça, geralmente porque sofreram alguma violação de direito que justificasse a destituição do poder familiar. O serviço é administrado pela Fundação de Ação Social, a FAS, órgão da Prefeitura.

As crianças com deficiência costumam ser encaminhadas para a Casa do Piá 1, que atende somente meninos de até 14 anos, muitas vezes em condições precárias. Uma das fotos mostra uma criança dormindo encolhida no chão, devido à superlotação da casa, que tem capacidade para receber 19 menores, mas já chegou a abrigar 23.

Camilla Varella, advogada especializada em direito das pessoas com deficiência, diz que o caso é complexo porque há indícios de violações tanto do Estatuto da Criança e do Adolescente, o ECA, quanto da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência

“Eu acho que deveria, inclusive, ser denunciado para a ONU, porque está descumprindo absolutamente a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência”, argumenta a advogada.

Em entrevista ao Intercept, dois servidores alegam que os problemas são estruturais e se estendem às condições de trabalho nas Casas do Piá. O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba afirma que já recebeu diversas denúncias de funcionários desses abrigos, como falta de estrutura, falta de recursos humanos, sobrecarga e assédio. Não à toa, o adoecimento psicológico é uma queixa comum entre os trabalhadores.

‘Fica nesse chão aí, seu bosta’

Em outro áudio obtido pelo Intercept, uma educadora grita com Davi, uma criança autista de 10 anos: “Se faz de maluco! É mais esperto que todo mundo aqui nessa casa. Fica nesse chão aí, seu bosta”. 

O menino apresenta problemas na fala e esboça poucas palavras para se defender. Dois minutos depois, outra funcionária comunica aos colegas que Davi está com a boca machucada: “Ele se jogou no chão aqui e tiveram que levar arrastado”. 

Esta não foi a única vez que Davi se viu em uma situação de risco. Ele foi destituído da família porque o pai e a mãe eram dependentes químicos e estavam em situação de rua. 

Em um vídeo gravado por um funcionário da Casa do Piá 1, Samuel, outro menino autista de 11 anos, dá soquinhos na própria nuca e conta que já viu uma cuidadora bater na cabeça do colega Davi. O Intercept não publicará os materiais para preservar as vítimas.

Pelo fato de não conseguirem contar o que está acontecendo, a tendência é que o abuso aconteça mais vezes.

A diretora de uma das escolas onde Davi estudou enquanto frequentava o abrigo relatou ao Intercept que ele dormia muito durante as aulas – ela tinha a impressão de que o único lugar em que o menino podia descansar era ali. 

A diretora pediu que seu nome e o da escola não fossem divulgados, pois tem medo de prejudicar a imagem da instituição.

Após notar ferimentos no aluno, a diretora tentou dialogar com a Casa do Piá 1. Ao ouvi-la, uma educadora social que trabalhava no abrigo não descartou a possibilidade de que Davi sofresse abusos, pois os funcionários não conseguiam olhar todas as crianças o tempo todo.

A reportagem também obteve fotos de outras duas crianças autistas que vivem na Casa do Piá 1 com ferimentos nas costas. 

A diretora chegou a solicitar o prontuário de Davi, para que ele pudesse ser atendido pela neuropediatra da escola, mas a Fundação de Ação Social se negou a colaborar. Foi quando a escola notificou extrajudicialmente o abrigo, pedindo providências em relação à saúde do aluno. Como resposta, a Casa do Piá 1 transferiu o menino para outra escola.

Não demorou muito para que os professores da próxima escola também começassem a ligar para o abrigo e enviar bilhetes questionando o comportamento de Davi, que alternava entre agressividade e sonolência excessivas.

“É todo um sistema que acaba oprimindo essas crianças e uma hora elas explodem. Elas colocam essa agressividade que elas recebem”, opina um servidor da Fundação de Ação Social que atua na Casa do Piá 1, referindo-se ao quadro de Davi.

A psicóloga Cláudia Sanini, especializada em autismo, explica que os problemas de fala, comunicação e linguagem são característicos de pessoas com transtorno do espectro autista, o que as torna mais suscetíveis a abusos. “Pelo fato de muitas vezes não denunciarem, não conseguirem contar o que está acontecendo, a tendência é que o abuso aconteça mais vezes”, ela diz.

É por isso que o comportamento da criança autista deve ser observado com especial atenção – alguns sinais podem indicar que ela está em risco. “Eles vão emitir uma mensagem de que algo não está bem se desorganizando, ficando mais agressivos, mais arredios”, descreve a especialista.

Crianças machucadas e dormindo no chão: 26 procedimentos de investigação já foram abertos – mas quase todos terminaram arquivados.

Denúncias recorrentes

O Intercept conversou com dois servidores da Fundação de Ação Social sob condição de anonimato. Eles disseram que não receberam treinamento para o atendimento nas Casas do Piá. Além disso, relataram ansiedade e depressão em decorrência da atividade profissional.

Ambos afirmam que já denunciaram os abusos contra menores à coordenação da Casa do Piá 1 e aos órgãos competentes, como o Ministério Público do Paraná e o Disque 100, do Ministério dos Direitos Humanos, mas sentem medo de tomar outras medidas, porque as retaliações – como transferências para unidades de atendimento da Fundação de Ação Social ainda mais problemáticas e distantes de onde moram – são comuns a quem se opõe ao serviço.

Entre 2021 e 2024, a 2ª Promotoria de Justiça da Criança e do Adolescente de Curitiba, do Ministério Público do Paraná, abriu 26 procedimentos administrativos para apurar denúncias relacionadas às Casas do Piá. Em geral, são descritos maus-tratos praticados por funcionários, violência entre adolescentes, falta de veículos, sobrecarga do serviço e transferência de abrigo como forma de punição ao abrigado.

Desses 26 procedimentos, 10 dizem respeito à Casa do Piá 1 e apenas dois ainda não foram arquivados: um sobre a superlotação da casa e recursos humanos incompatíveis com o número de acolhidos, e outro sobre as providências oriundas da inspeção anual realizada pelo Ministério Público em 12 de março deste ano.

O atual procurador-geral de Justiça do Paraná, Francisco Zanicotti, foi titular da 2ª Promotoria de Justiça da Criança e do Adolescente de Curitiba até março de 2024. Ele explica ao Intercept que o Ministério Público fiscaliza os abrigos e busca resolver os problemas administrativamente, sem encaminhar os casos à justiça, pois a conciliação é mais ágil e a promotoria mantém uma boa relação com a Fundação de Ação Social.

Zanicotti cita um caso ocorrido em 2022, quando o órgão recebeu uma denúncia de maus-tratos contra um menino com autismo abrigado na Casa do Piá 1. A Polícia Civil e a Fundação de Ação Social foram notificadas, e os dois educadores envolvidos no caso foram transferidos para outras unidades da Fundação de Ação Social.

Existe apenas uma ação civil pública relacionada às Casas do Piá em andamento. O caso, por envolver menores, tramita em segredo de justiça desde 2018. 

Em nota enviada por sua assessoria de imprensa, a Fundação de Ação Social afirmou que “não tem registro de qualquer violência ou maus-tratos contra crianças e adolescentes atendidos em suas unidades de acolhimento institucional”. 

O órgão disse que as Casas do Piá possuem coordenadores que acompanham a rotina de cada unidade e são supervisionadas não só pela Fundação, mas pelo Ministério Público e pelo Conselho Tutelar. 

“Qualquer irregularidade ou falha do serviço que possa ocorrer em uma unidade da FAS é rigorosamente apurada. O fluxo prevê, inicialmente, o levantamento de informações e elaboração de um relatório circunstanciado. Esse documento é então encaminhado para a Comissão Permanente de Sindicância, que tem competência para apuração dos fatos e responsabilização dos atores”, acrescentou.

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?

QUERO APOIAR

Entre em contato

Inscreva-se na newsletter para continuar lendo. É grátis!

Este não é um acesso pago e a adesão é gratuita

Já se inscreveu? Confirme seu endereço de e-mail para continuar lendo

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar