O The Town foi produzido pela Rock World, de Roberto Medina. A empresa não respondeu às nossas perguntas sobre a comida. Foto: divulgação

The Town serviu comida com larvas e cabelo a trabalhadores; veja fotos

Conversas em grupo de WhatsApp e fotos de refeições estragadas detalham humilhação contra vendedores ambulantes do The Town.

O The Town foi produzido pela Rock World, de Roberto Medina. A empresa não respondeu às nossas perguntas sobre a comida. Foto: divulgação

Este texto foi publicado originalmente na newsletter do Intercept. Assine. É de graça, na sua caixa de e-mails.

“Oi, o que vocês publicaram é só a ponta do iceberg. Quero contar minha história”. Recebi essa mensagem de Victor, poucas horas depois que publicamos uma reportagem sobre trabalhadores que relatam terem sido submetidos a condições degradantes no The Town 2023, em setembro deste ano, em São Paulo.

“Li sua matéria logo que acordei. Me mandaram perguntando se eu tinha alguma coisa a ver com isso. Mas, você sabe, eu não tinha. O fato é que eu tenho muita coisa para falar”, disse Victor, num áudio que me enviou. Ele pediu para não ser identificado, mas deu provas chocantes da humilhação contra trabalhadores do The Town, festival dos mesmos criadores do Rock In Rio.  

Eu obtive acesso a dezenas de prints de mensagens trocadas em grupos de WhatsApp, em que os ambulantes se comunicavam durante o evento. São várias fotos e relatos de comida estragada – isso quando trabalhadores não denunciam a fome.

As primeiras mensagens são de 2 de setembro, abertura do festival, e demonstram a dificuldade no acesso à alimentação. “Tem gente desmaiando”, escreveu uma funcionária no grupo, usado também para acionar os coordenadores da 2East, empresa contratada pelo The Town para organizar a venda de bebidas.

“Vocês não estão conseguindo dar alimentação mínima para o pessoal”, disse outra, em seguida. “Concordo com tudo o que vocês estão falando, já sinalizamos com a Sapore [fornecedora da comida] e vamos fazer de novo!!!”, respondeu um dos representantes da 2East. “Conte comigo para cuidar de todos. Esse é o nosso papel!”, acrescentou.

Diante de mais reclamações, porém, o representante escreveu: “Não vai ajudar a gente ficar discutindo. Como já falamos, comida infelizmente só podemos sinalizar”. Segundo ele, as reclamações deveriam ser feitas diretamente à Sapore, contratada para fornecer comida aos funcionários do The Town.

Fotos mostram que trabalhadores do The Town receberam comida estragada e com larvas.

A Sapore é uma multinacional brasileira fundada em 1992 e especializada em serviços de alimentação para grandes contingentes. O Intercept Brasil questionou o The Town se a contratação foi feita diretamente pela RockWorld, organizadora do evento. Não houve resposta. A 2East também não se manifestou.

Nos dias seguintes, as coisas pioraram. Essas mensagens começaram a aparecer: “Comida tá de maneira insalubre”, disse uma pessoa. “Acabei de receber reclamação de comida estragada no refeitório”, escreveu outra.”Veio cabelo na comida. Aí é osso”, lamentou uma terceira.

E teve mais: “Chefe, minha marmita estava estragada”, reclamou um quarto trabalhador. Abaixo, ele encaminhou o que aparenta ser a mensagem de um outro colega: “Marmita estragada novamente, irmão”. O Intercept teve acesso a imagens de três refeições evidentemente inadequadas para consumo.

Duas mostram um fio de cabelo na marmita. A mais perturbadora mostra uma larva em uma folha de alface. As imagens foram enviadas aos coordenadores da 2East ainda durante o evento.


Você tem alguma denúncia relacionada a um mega festival? Escreva para a gente no [email protected]. Queremos te ouvir. 


“A comida era uma das piores que comi na vida”, Victor me disse. Segundo ele, um dos trabalhadores chegou a contrair duodenite – inflamação no intestino – e ser internado após ingerir a refeição.

Não localizei o trabalhador que teria sido hospitalizado, mas uma mensagem que obtive confirma a versão de Victor: “Estou com um vendedor internado com duodenite, você quer mais o quê?”, escreveu uma funcionária. 

Quando procuramos a Rock World, antes da primeira reportagem sobre o tema, a empresa afirmou que os parceiros seguem “padrões rigorosos de contratação” e que “não admite qualquer ação que viole direitos”. 

A 2East negou irregularidades e afirmou ter sido “devidamente fiscalizada” e distribuído bebedouros e vouchers de alimentação – só não entrou em detalhes sobre que tipo de alimentação.

Depois da publicação, a Rock World me enviou uma “nota de repúdio”. Ela afirmou que não havia nenhuma acusação formal, que as contratações seguem “rígidos padrões” e são realizadas por empresas terceirizadas. Para eles, o Intercept usou o “nome de seus organizadores e o da Rock World para ganhar notoriedade”. 

Mas, quando a nota chegou, as outras denúncias já haviam começado a pipocar – aliás, é só ver os comentários de ex-trabalhadores nas redes do Intercept. 

Aproveitei para perguntar se a Rock World queria se pronunciar sobre a qualidade da comida oferecida à equipe, já que garantiu cumprimento de direitos e fornecimento de alimentação. Até agora, a empresa não respondeu. 

URGENTE! O Intercept está na linha de frente na luta por justiça pelo brutal assassinato de Marielle Franco.

Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, é apontado como mandante desse atentado. Revelamos que Ronnie Lessa, ex-policial militar envolvido, delatou, mas a homologação pelo STJ enfrenta obstáculos devido ao foro privilegiado de Brazão.

Sua doação é crucial para impulsionar investigações e ações legais. A verdade não pode mais ser silenciada. Faça sua doação agora!

FAÇA PARTE

Faça Parte do Intercept