Ilustração: Intercept Brasil

Seu sangue tem preço e há empresas de olho nele: entenda a PEC do Plasma

Projeto que tramita no Senado quer mudar Constituição para permitir venda de plasma e pode esvaziar bancos de sangue Brasil afora.

Ilustração: Intercept Brasil

A privatização de um dos componentes do seu sangue é o que está em jogo na PEC do Plasma. A proposta tramita no Senado desde 2022 e prevê mudanças no artigo da Constituição que proíbe “todo tipo de comercialização” do sangue e seus derivados.

Atualização às 16h43 de 4 de outubro de 2023: a Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou a PEC que autoriza a coleta e venda de plasma humano pela iniciativa privada. Foram 15 votos favoráveis frente a 11 contrários. O texto vai passar agora pelo plenário do Senado. Se aprovado, segue para a Câmara dos Deputados.

Pela Lei do Sangue, todo o plasma que não for usado em transfusões de sangue – cerca de 90% do que é coletado – é considerado excedente e deve ser entregue gratuitamente ao SUS. Esse material é usado na produção de medicamentos destinados a pacientes com problemas no sistema imunológico e na coagulação do sangue, por exemplo.

Segundo estimativa da indústria farmacêutica, o mercado atual de remédios derivados do sangue movimenta cerca de R$ 10 bilhões no Brasil. Para se ter uma ideia, custa em média R$ 2 mil um frasco com apenas cinco gramas de imunoglobulina, medicamento produzido a partir do plasma. 

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar

Em vez de repassar o plasma para o SUS sem receber nada em troca, a iniciativa privada quer fincar as garras nesse lucrativo mercado – e está investindo pesado em anúncios na imprensa para convencer as pessoas de que a mudança na lei é boa para elas também. Não é! A aprovação da PEC pode encher os bolsos dos empresários, mas arrisca esvaziar os estoques dos hemocentros públicos e encarecer os medicamentos produzidos a partir do plasma. 

Vamos te explicar como funciona a bem-sucedida política nacional do sangue e como a PEC do Plasma pode destruí-la.

Quais são os componentes do sangue?
Os hemocomponentes são as hemácias, as plaquetas e o plasma. Eles são obtidos por meio de processos como centrifugação e congelamento do sangue do doador e, depois, destinados a hospitais para transfusões. As hemácias e plaquetas geralmente estão em falta, pois a demanda é maior que as doações. No caso do plasma, apenas 10% do que é coletado é transfundido em pacientes. 

O que são os hemoderivados?
O excedente de plasma serve de matéria-prima para produzir os hemoderivados, medicamentos usados no tratamento de problemas imunológicos e de coagulação, câncer, queimaduras graves, insuficiência renal, HIV e doenças neurológicas ou hepáticas.

Como funciona a rede de doação de sangue?
A hemorrede é formada por 181 hemocentros públicos, 64 bancos de sangue privados e 58 entidades filantrópicas. São eles que coletam, armazenam e processam o sangue doado, deixando os componentes prontos para as transfusões em pacientes ou para a destinação do SUS à indústria. Para receber a transfusão gratuitamente, basta o paciente encaminhar a solicitação médica a um hemocentro público. 
Já os bancos de sangue privados vendem o material a hospitais particulares ou planos de saúde. Os bancos de sangue mistos ou filantrópicos atendem aos planos de saúde, os hospitais particulares e ao SUS.
Homem doa sangue no Banco de Sangue Hemoclínica de Brasília, no Distrito Federal. PEC do Plasma pode esvaziar bancos de sangue em todo o país. Foto: Mateus Bonomi/Agif/Folhapress

O que é a PEC do Plasma?

A Proposta de Emenda Constitucional nº 10/2022 pretende mudar a lei para permitir que o poder privado comercialize o plasma e produza hemoderivados. Hoje, isso é proibido pela Lei do Sangue, sancionada em 2001. 

Ela determina que toda doação deve ser voluntária e não pode ser gratificada. A lei também estabelece que o plasma excedente deve ser repassado gratuitamente ao SUS. Esse material é usado pela Hemobrás em pesquisas e na produção de hemoderivados para atender prioritariamente à demanda da saúde pública. 

A PEC quer tirar esse monopólio do poder público. 

Em que pé está a discussão sobre a PEC do Plasma?

O parecer de março de 2023 da relatora Daniella Ribeiro, do PSD, incluía um artigo que autorizava a iniciativa privada a comercializar e a fazer “coleta remunerada do plasma humano”, ou seja, o pagamento ao doador. A proposta foi duramente criticada por senadores como Humberto Costa, do PT, o que levou a relatora a fazer um acordo com os colegas para retirar esse trecho

A Comissão de Constituição e Justiça aprovou a PEC do Plasma por 15 votos a 11. O texto segue para o plenário do Senado e, se aprovado, será debatido pela Câmara de Deputados.

Entidades como os hemocentros, a Hemobrás e o Ministério da Saúde já se manifestaram contra a proposta, vista como uma forma de privatizar o sistema público de saúde aos poucos.

Ao menos por enquanto, parece certo que não será permitida a remuneração do doador de plasma. O que está em debate é a permissão para que os bancos de sangue privados possam vender o material que coletarem para as indústrias internacionais de hemoderivados, em vez de repassar ao SUS gratuitamente. 

LEIA TAMBÉM

Como a aprovação da PEC impactaria nas doações de sangue?

Há o risco de diminuição das doações de sangue, levando ao desabastecimento de hemácias e plaquetas. Isso se o setor privado adotar massivamente um procedimento chamado plasmaférese, que possibilita a coleta exclusiva do plasma por meio de uma máquina ligada ao doador. Ela centrifuga o sangue, retira o plasma ou as plaquetas e devolve as hemácias ao organismo.

Como a produção de remédios feitos a partir do plasma seria afetada pela PEC?

Segundo Joice Aragão, coordenadora-geral de sangue e hemoderivados do Ministério da Saúde, o uso do plasma como commodity pode fazer com que as doações sirvam à demanda internacional, sem a garantia de que o medicamento produzido com a matéria-prima do Brasil abasteça o próprio país. 

“A exportação do plasma prejudicaria a assistência à população, principalmente das pessoas com problemas de coagulação, e deixaria o país mais vulnerável, especialmente em situações de emergência, pois são produtos de alto custo, utilizados em tratamentos que requerem regularidade, e cuja oferta está garantida atualmente pelo SUS de forma gratuita”, afirmou. 

Quem ganha e quem perde com a aprovação da PEC do Plasma?

Segundo Aragão, quem ganha são as empresas que comercializam hemoderivados no mercado internacional e quem perde é a população brasileira. “O modelo atual é baseado justamente na doação voluntária de sangue e a sua regulação pelo poder público, na mesma lógica da doação de órgãos para transplantes. Nossa Política Nacional de Sangue, Componentes e Hemoderivados é uma referência mundial pela sua capacidade de garantir a assistência a todos os brasileiros”. 

Como funciona o mercado de remédios feitos a partir do plasma?

A demanda anual de plasma para produção dos hemoderivados usados no SUS, segundo o presidente da Hemobrás Antônio Edson Lucena, é de 700 mil litros. Se o SUS tivesse que comprar a matéria-prima, pagaria mais de R$ 300 milhões por ano, considerando o valor praticado nos Estados Unidos – onde um litro de plasma pode chegar a cerca de R$ 540.

Como o Brasil não tem fábrica para fracionar o plasma e produzir hemoderivados, o Ministério da Saúde compra de outros países 70% dos hemoderivados usados no SUS. Isso custa R$ 1,5 bilhão por ano. Os outros 30% são produzidos a partir do plasma doado no Brasil, pela empresa estrangeira Octapharma AG. 

Funciona assim: a Hemobrás recolhe o material nos hemocentros, analisa e atesta sua qualidade e envia para a Octapharma AG, que produz e devolve ao Brasil albumina, imunoglobulina, fator VIII e fator IX de coagulação.

Esse trabalho custa 225 euros por litro de plasma fracionado, cerca de R$ 1.170. Cada litro de plasma rende dois frascos de albumina, um de imunoglobulina, 0,3 de fator VIII e 0,5 de fator IX de coagulação. Segundo Lucena, a empresa garante esse rendimento mínimo e o contrato sai mais barato do que comprar os medicamentos prontos de outros países.

A Hemobrás espera reduzir 30% o custo que tem hoje no contrato com a Octapharma AG, depois que a fábrica nacional de hemoderivados estiver em pleno funcionamento. Ela está sendo construída na cidade pernambucana de Goiana e a previsão para a conclusão da obra é em 2025. Embora tenha sido questionada sobre o valor que paga anualmente para a empresa estrangeira, a Hemobrás não respondeu, sob o argumento de que “a informação solicitada envolve estratégia de equilíbrio comercial, bem como sigilo acordado entre as partes no contrato”.

O que muda com a fábrica?

O objetivo é qualificar uma quantidade de hemocentros que garanta fornecimento de ao menos 250 mil litros de plasma por ano, de acordo com Lucena. Para ser usada na produção de medicamentos, a matéria-prima tem que ser coletada por hemocentros ou bancos de sangue qualificados pela Hemobrás. Eles precisam seguir critérios rigorosos para evitar que sangue contaminado seja usado em escala industrial e afete milhares de pacientes.

A fábrica terá capacidade para produzir até três toneladas de imunoglobulina por ano, que é a demanda atual do SUS. Com a quantidade de plasma que coleta hoje, a Hemobrás consegue menos de duas toneladas de imunoglobulina por ano. 

Atualmente, cerca de dois terços do volume de plasma é coletado na rede pública, mas o que é coletado nos bancos de sangue privados é necessário para alcançar a capacidade máxima da fábrica e atender à demanda do SUS. 

Para isso acontecer, os bancos de sangue privados tem que ser qualificados pela Hemobrás e repassar ao SUS o plasma que não é usado em transfusões. Isso está na lei, mas ela é descumprida. 

Os bancos de sangue privados alegam que têm custos para fazer a coleta do plasma. Por isso, querem ser ressarcidos. Hoje, diz o presidente da Hemobrás, “o setor privado prefere descartar o produto excedente, pagando pela incineração, em vez de entregar gratuitamente” ao SUS, como manda a lei. Ele acredita que as empresas fazem isso porque vislumbram uma forma de rentabilizar o hemocomponente. 

Essa é uma das questões em jogo na PEC do Plasma. A comercialização do plasma e produção de hemoderivados pela iniciativa privada pode desestruturar a Política Nacional do Sangue, que é tão bem-sucedida no Brasil quanto a de transplante de órgãos.

O texto foi atualizado para informar que a PEC do Plasma foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?

Apoie o Intercept Hoje

Inscreva-se na newsletter para continuar lendo. É grátis!

Este não é um acesso pago e a adesão é gratuita

Já se inscreveu? Confirme seu endereço de e-mail para continuar lendo

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar