Ilustração: Intercept Brasil

A Igreja Universal quer descobrir nossas fontes – e teremos que depor na polícia

Não vamos nos acovardar, nem deixar de investigar a Igreja Universal, Edir Macedo ou quem quiser nos intimidar – e sempre protegeremos nossas fontes.

Ilustração: Intercept Brasil

Jornalistas do Intercept terão que depor ainda hoje na Polícia Civil de São Paulo em investigação movida a pedido da Igreja de Edir Macedo, a Universal. Contamos para você sobre esta investigação na nossa newsletter em fevereiro. 

A Igreja de Seu Edir está furiosa porque nossa reportagem revelou documentos sigilosos indicando uma possível operação de lavagem de dinheiro que, em apenas cinco anos, movimentou mais de R$ 33 bilhões.

Eles exigiram que a polícia nos investigasse para saber como encontramos esses documentos e quem nos entregou o material. E sabe o que é pior? O Ministério Público de São Paulo acatou o pedido. A Universal quer saber descobrir quem é nossa fonte. Isso vai contra nosso direito constitucional de manter o sigilo das fontes, e a polícia quer que a gente colabore com isso.

Somos obrigados por lei a comparecer. Mas, obviamente, quando eu e o repórter Gilberto Nascimento entrarmos naquela sala hoje, só teremos uma resposta para o delegado e a Universal: silêncio

Sempre protegeremos nossas fontes, independentemente das implicações.

O simples fato de que essa investigação esteja ocorrendo já é preocupante, mas obrigar jornalistas a depor é totalmente ultrajante. É uma intimidação e uma clara afronta ao nosso direito constitucional à liberdade de imprensa e à proteção da fonte.

É também um sinal de que a investigação não vai acabar tão cedo. Seu escopo ainda não está claro, mas tudo é possível, mesmo que tenhamos operado 100% dentro da lei.

Não vamos nos acovardar e não vamos deixar de investigar a Igreja Universal, Edir Macedo ou quem quiser nos deter com intimidação judicial.

Agora é hora de nos prepararmos para a possibilidade de uma batalha judicial e redobrarmos nossas forças investigativas sobre o poderoso império político e empresarial do Bispo Macedo e precisamos de toda a ajuda possível. Podemos contar com você?

A Igreja Universal é conhecida por suas posturas agressivamente litigiosas a reportagens que mostram o que eles querem esconder. E publicamos muitas dessas ao longo dos anos.

Revelar fontes tem um efeito amedrontador em futuros denunciantes — esse é o objetivo deles. É por isso que devemos sempre combater cada caso com extrema intensidade.

Continuamos a fazer nosso trabalho, porque não cedemos a qualquer intimidação. No mês passado, por exemplo, publicamos uma reportagem exclusiva sobre a “máquina de vasectomias” da Universal.

Muitas outras redações evitam investigar o império de Edir Macedo, porque seus donos temem a repercussão. Outros, como Record e R7, bem… são propriedade do império Macedo.

No Intercept, por outro lado, já publicamos:

No Intercept, optamos por não receber dinheiro de publicidade de empresas ou do governo para garantir nossa independência. Vocês nos permitem isso. Nosso modelo de negócio incentiva investigações ambiciosas, não caça-cliques – e tudo é reinvestido no jornalismo.

Usamos suas contribuições para correr atrás de grandes histórias, sem medo de com quem estamos mexendo. Nossa força vem exclusivamente da nossa convicção e do apoio dos nossos membros: a comunidade de milhares de pessoas que acreditam no poder do jornalismo investigativo, independente; pessoas que acreditam que um futuro melhor é possível se trabalharmos juntos. Por isso, quando eu estiver sentada na frente do delegado de polícia hoje, estarei pensando nessa comunidade — e em você.

Precisamos da sua ajuda agora. Queremos você ao nosso lado enquanto enfrentamos Edir Macedo e a Polícia Civil de São Paulo e gritamos: “Jornalismo investigativo não é crime!” Por favor, faça parte do Intercept hoje.

URGENTE! O Intercept está na linha de frente na luta por justiça pelo brutal assassinato de Marielle Franco.

Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, é apontado como mandante desse atentado. Revelamos que Ronnie Lessa, ex-policial militar envolvido, delatou, mas a homologação pelo STJ enfrenta obstáculos devido ao foro privilegiado de Brazão.

Sua doação é crucial para impulsionar investigações e ações legais. A verdade não pode mais ser silenciada. Faça sua doação agora!

FAÇA PARTE

Faça Parte do Intercept