Ninguém lucrou tanto no primeiro turno das eleições quanto Meta e Google

Redes receberam R$ 184 milhões em anúncios. Valor corresponde a 3,1% dos R$ 5,9 bilhões gastos no 1º turno.


A eleição para o governo do Ceará, decidida no primeiro turno pelo petista Elmano Freitas com 53,69% dos votos válidos, foi quente na internet esse ano. Quem mora no estado sabe. Um termômetro para medir essa temperatura é o investimento feito pelas principais campanhas locais em anúncios no Facebook e Instagram. O candidato do PT pagou 400 anúncios nas duas plataformas do início de agosto até o dia 2 de outubro, período da campanha eleitoral até a data da votação, de acordo com o registrado na Biblioteca de Anúncios da Meta, empresa dona das duas plataformas. Gastou R$ 1,6 milhão, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral.

Já a campanha de Roberto Cláudio, candidatura cirista que rachou o PDT no estado e terminou em terceiro lugar na eleição para o governo com 14,4% dos votos válidos, gastou R$ 1,2 milhão em 2 mil anúncios no mesmo período. Ambos estão entre os maiores anunciantes eleitorais da Meta este ano. Só ficam atrás da campanha presidenciável de Simone Tebet, do MDB, que investiu R$ 1,9 milhão em 690 anúncios antes de declarar apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no segundo turno.

No total, o valor pago às redes sociais para veiculação de anúncios direcionados já chega a R$ 184 milhões. Os dados são referentes aos valores declarados pelos candidatos e consolidados pelo TSE, levantados pelo Intercept em parceria com a plataforma 72 horas.

A Meta, dona do Facebook e do Instagram, é de longe a maior fornecedora dessas eleições. A dobradinha Facebook/Instagram, que fazem parte do conglomerado, faturaram sozinhos ao menos R$ 107 milhões – e esse valor
inclui apenas três CNPJs conhecidos relacionados à empresa norte-americana. Em segundo lugar está o Google. A empresa da Califórnia ficou com pelo menos R$ 51,9 milhões do dinheiro distribuído pelos candidatos até agora.

Depois vem a gigante multinacional de pagamentos eletrônicos Adyen, que presta serviços para a Meta e outras empresas de tecnologia. Só ela já recebeu outros R$ 26,773 milhões das campanhas neste ano especificamente por impulsionamento de conteúdo nas redes.

A avalanche de dinheiro despejado nesse tipo de propaganda mostra que, de candidatos a assembleias estaduais até postulantes à Presidência da República, investir em anúncios nas redes sociais hoje é parte central da estratégia digital das campanhas políticas – uma pré-condição para conseguir uma candidatura competitiva. Até agora, o valor gasto com publicidade digital nas gigantes de tecnologia representa 3,1% dos R$ 5,9 bilhões que foram gastos nesta temporada eleitoral até o momento —mais de R$ 5 bilhões sacados dos fundos eleitoral e partidário.

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?

QUERO APOIAR

Inscreva-se na newsletter para continuar lendo. É grátis!

Este não é um acesso pago e a adesão é gratuita

Já se inscreveu? Confirme seu endereço de e-mail para continuar lendo

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar