Facebook e YouTube lucram com anúncios que atacam as urnas eletrônicas e a democracia

Segunda parte de relatório da ONG SumOfUs expõe como opera o ecossistema projetado nessas plataformas para minar o processo eleitoral.


O YouTube e o Facebook continuam permitindo a publicação de conteúdos antidemocráticos e com desinformação, com frequência beneficiando a campanha de reeleição de Jair Bolsonaro. É o que mostra a segunda parte de um relatório da ONG SumOfUs, que monitora grandes corporações pelo mundo. A primeira parte abordou como o Facebook lucrou com posts incentivando a violência no 7 de setembro.

Pesquisadores da ONG analisaram diversos anúncios nas plataformas e encontraram um ecossistema projetado para minar o processo eleitoral de três maneiras específicas: espalhando desinformação sobre as urnas eletrônicas, atacando autoridades do Supremo Tribunal Federal e do Tribunal Superior Eleitoral e promovendo um golpe.

Na maior parte dos posts do Facebook, os anúncios são pagos por bolsonaristas que decidem divulgar conteúdos originalmente produzidos por Jair Bolsonaro. Como em uma postagem do candidato a deputado estadual Sargento Floriano, que impulsionou em sua página um vídeo de Bolsonaro questionando as urnas eletrônicas e dizendo “nós temos o direito de duvidar”.

Post impulsionado de ataque às urnas eletrônicas atingiu de 5 mil a 10 mil pessoas, segundo dados fornecidos pelo Facebook.

Post impulsionado de ataque às urnas eletrônicas atingiu de 5 mil a 10 mil pessoas, segundo dados fornecidos pelo Facebook.

Imagem: Reprodução

O YouTube também mantém no ar diversos conteúdos similares, como uma entrevista de Bolsonaro à Jovem Pan atacando o TSE, vista por mais de três milhões e meio de pessoas. Na plataforma, alguns vídeos são ainda mais patéticos, como um do canal bolsonarista Foco do Brasil mentindo que Bolsonaro está acima de Lula nas pesquisas eleitorais. O vídeo foi visto por mais de 171 mil pessoas.

Esses posts e anúncios engordam a conta bancária da Meta e do Google, donas do YouTube e do Facebook, respectivamente, a um alto custo social. Por isso, o relatório da SumOfUs pede que as empresas tomem atitudes mais assertivas no combate à desinformação, principalmente agora, a poucos dias das eleições. “Essa é a última chance para a Meta e o Google. Eles ainda têm tempo de mitigar alguns dos danos causados se agirem com a urgência e o foco necessários”, conclui o estudo.

Ao Intercept, a Meta afirmou que suas políticas permitem anúncios que discutam, debatam ou proponham regulações eleitorais. “Não acreditamos que uma empresa privada deve impedir que as pessoas conversem sobre temas que são debatidos no Congresso Nacional. Nós nos preparamos extensivamente para as eleições brasileiras de 2022 e estamos comprometidos em proteger a integridade da votação”. Já o Google não respondeu ao nosso contato.

Atualização: 28 de setembro, 15h45
O texto foi atualizado para incluir o posicionamento da Meta.

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?

QUERO APOIAR

Entre em contato

Inscreva-se na newsletter para continuar lendo. É grátis!

Este não é um acesso pago e a adesão é gratuita

Já se inscreveu? Confirme seu endereço de e-mail para continuar lendo

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar