PT teme que donos de empresas de ônibus pró-Bolsonaro reduzam frotas para sabotar eleitor de baixa renda

Campanha de Lula age para tentar garantir circulação de transportes e conta com observadores internacionais para que resultados sejam respeitados.


No último domingo, dia 25, a direção nacional do PT enviou um ofício a todos os 2.376 vereadores do partido espalhados em 1.389 municípios brasileiros pedindo que eles solicitem aos respectivos prefeitos informações sobre o funcionamento do transporte coletivo em suas cidades no dia da eleição. O documento faz parte de uma série de medidas que o PT está tomando para garantir que a votação ocorra sem transtornos e evitar golpes baixos por parte da campanha e dos apoiadores de Jair Bolsonaro – ou o não reconhecimento dos resultados do pleito.

Nos últimos dias, surgiram rumores de que donos de empresas de transportes urbanos que apoiam Bolsonaro poderiam reduzir as frotas em circulação nas ruas no próximo domingo para dificultar o acesso aos locais de votação por eleitores de baixa renda, faixa na qual o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem larga vantagem sobre o adversário.

“Frente a rumores sobre uma possível dificuldade de funcionamento dos transportes públicos no dia das eleições, 2 de outubro, o que dificultaria as pessoas de irem aos locais de votação, comprometendo o processo democrático, sugerimos que você faça um requerimento de informação ao executivo municipal se antecipando a possíveis problemas”, diz o ofício assinado pelo secretário nacional de assuntos institucionais do PT, Joaquim Soriano. Ao Intercept, o dirigente afirmou: “Esperamos atingir toda a coligação [que inclui outros nove partidos] e todos os vereadores e vereadoras que estão [comprometidos com] eleições livres e democráticas”.

Na semana passada, a campanha de Lula fez um levantamento em cada estado sobre o risco de possíveis boicotes ou tumultos que possam impedir o acesso de eleitores às urnas, mas essa não é a única preocupação. O PT está apreensivo com a possibilidade de Bolsonaro questionar o resultado eleitoral, que foi reiterada no dia 18 durante a passagem do presidente pela Inglaterra. Por isso, foi criado um grupo de trabalho comandado pelo ex-secretário nacional de Direitos Humanos Paulo Vannuchi. Ele articulou junto a outros grupos e organizações que defendem a democracia uma força-tarefa que inclui a mobilização de dezenas de advogados, lideranças históricas e observadores internacionais para garantir reação rápida em caso de golpes baixos.

Segundo Vannuchi, a Ordem dos Advogados do Brasil, a Comissão Arns, a Universidade de São Paulo, a Universidade Estadual do Rio de Janeiro, universidades federais da Paraíba e do Espírito Santo (credenciadas junto ao Tribunal Superior Eleitoral para acompanhar o processo), a Conectas e o Pacto pela Cidadania estão em alerta. Além disso, a campanha tem falado com entidades internacionais. Na última segunda-feira, houve uma reunião com observadores da Associação Internacional de Juízes Eleitorais e, na quarta, haverá uma com a Organização dos Estados Americanos, a OEA. Antes, eles estiveram no Congresso dos EUA, no Conselho de Direitos Humanos da ONU, na sede da União Europeia e no Vaticano.

“A OAB vai fazer uma vigília cívica. Integrantes da Comissão Arns, como José Carlos Dias e José Gregori, vão ficar de plantão para o caso de ocorrer alguma baderna e for preciso telefonar para os governadores. Este papel não compete às campanhas, mas o recado dado pelo Bolsonaro na sacada da embaixada em Londres foi claro. Alguma coisa ele vai tentar e, se não for ele, serão os seguidores dele”, disse Vannuchi, que também integra a Comissão Arns.

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?

QUERO APOIAR

Entre em contato

Inscreva-se na newsletter para continuar lendo. É grátis!

Este não é um acesso pago e a adesão é gratuita

Já se inscreveu? Confirme seu endereço de e-mail para continuar lendo

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar