TRE manda Facebook apagar comentários racistas contra candidato indígena no Paraná

Indígena da etnia Kaingang, Kretã é candidato a deputado estadual e fazia live na rede social quando foi atacado.


O Tribunal Regional Eleitoral do Paraná, o TRE-PR, ordenou que o Facebook remova comentários racistas e preconceituosos postados após uma live de Romancil Gentil Cretã, indígena da etnia Kaingang que é candidato a deputado estadual pela Rede Sustentabilidade com o nome de urna Kretã.

Os comentários foram postados por um usuário que se apresenta como Luiz Carlos Filipi. Na decisão liminar, o juiz eleitoral auxiliar Roberto Aurichio Junior determinou que o Facebook exclua os comentários. Além disso, ordenou que a big tech “apresente as informações que permitam a identificação e localização, como o IP, e-mail, dados cadastrais, e demais dados disponíveis referentes ao perfil Luiz Carlos Filipi”.

O prazo dado pelo magistrado é de 24 horas, contados a partir do momento em que o Facebook ficar ciente da decisão tomada na quinta-feira, dia 22, às 20h32. Caso contrário, a empresa está sujeita a uma multa diária de R$ 5 mil pelo descumprimento de cada uma das ordens.

Segundo a decisão judicial, Kretã fazia uma live com outro candidato da Rede quando o usuário que se apresenta como Luiz Carlos Filipi fez comentários “extremamente ofensivo não só à pessoa do representante [o candidato], mas a todos os povos indígenas”, “chamando toda a comunidade indígena de ‘vagabundos’ e ‘desafetos ao trabalho’, o que nem de longe seria verdade”.

Kretã vive na Terra Indígena de Mangueirinha, região sudoeste do Paraná. É um dos fundadores do Acampamento Terra Livre, realizado anualmente em Brasília desde 2003, e da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, a Apib. Procurei o candidato pelas suas redes sociais para que comentasse o caso, mas não tivemos resposta até a publicação deste texto.

Pedimos ao Facebook um comentário sobre a sentença do juiz Aurichio, que será publicado assim que for recebido. Também procuramos Filipi em mensagem enviada ao perfil do usuário na rede social. A resposta dele será incluída nesta nota assim que for recebida.

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?

QUERO APOIAR

Inscreva-se na newsletter para continuar lendo. É grátis!

Este não é um acesso pago e a adesão é gratuita

Já se inscreveu? Confirme seu endereço de e-mail para continuar lendo

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar