O vexame de Sergio Moro no templo do frango com polenta

Ex-juiz vai a jantar de políticos e vê o governador do Paraná pedir votos ao adversário dele na disputa pelo Senado.


O ex-juiz, ex-ministro e ex-ex-bolsonarista Sergio Moro viu de camarote o governador Carlos Roberto Massa Junior, o Ratinho Junior, pedir votos a um adversário dele na disputa pelo Senado no Paraná, Paulo Eduardo Martins, do PL. A cena constrangedora se deu na noite de segunda-feira, 12, num jantar que reuniu, segundo a campanha de Ratinho Junior, quase 200 dos 399 prefeitos do Paraná num dos mega-restaurantes de frango com polenta de Santa Felicidade, em Curitiba.

O jantar promovido pela campanha de Ratinho tinha entre seus objetivos tentar fazer decolar a campanha de Martins, ferrenho bolsonarista. Segundo as pesquisas já divulgadas, ele aparece num distante terceiro lugar, atrás de Moro e do já senador Alvaro Dias, do Podemos, candidato a mais uma reeleição.

Apesar de não ter sido convidado para o jantar, Moro subiu ao palco com Ratinho Junior e os apoiadores do governador.

Apesar de não ter sido convidado para o jantar, Moro subiu ao palco com Ratinho Junior e os apoiadores do governador.

Foto: Divulgação/Coligação Pra Frente Paraná

O União Brasil, partido de Moro, faz parte da coligação de 11 partidos costurada por Ratinho Junior, do PSD. Assim, o ex-juiz achou uma boa ideia ir ao jantar. Convidado ao palco, ele discursou ao lado de políticos do PP, partido mais implicado na Lava Jato. “Quero destacar que o nosso único adversário nesta eleição é um adversário histórico do Ratinho Junior, é um adversário histórico meu, que é o PT”, confessou o ex-juiz declarado parcial pelo Supremo Tribunal Federal, dando tapinhas no ombro do governador. No vídeo abaixo, pode-se ver que o discurso de Moro não empolgou o público.

O líder do governo Bolsonaro na Câmara, Ricardo Barros, do PP, estava no evento e desceu do palco quando o microfone foi passado a Moro. Pelo Twitter, ele fez questão de frisar que Ratinho pediu votos a Martins em deferência ao presidente – e incluiu uma foto em que Moro aparece. Martins foi ainda mais duro: chamou o ex-juiz de “usurpador” ao dizer que ele não havia sido convidado ao evento.

Bolsonaro gostaria de ver Martins, atualmente deputado federal, no Senado para tentar levar adiante o impeachment de ministros do Supremo. Moro, por sua vez, vem fazendo afagos a Bolsonaro na tentativa de angariar votos entre eleitores do presidente.

“O União Brasil é o maior partido da coligação do governador. O adversário do Moro nessa eleição é o Alvaro Dias”, me respondeu o marqueteiro de Moro, Marcelo Cattani, ex-secretário do tucano Beto Richa, ex-governador do Paraná. Richa foi preso pela Lava Jato.

 

Correção: 13 de setembro, 15h20

Uma versão anterior deste texto afirmava que Paulo Eduardo Martins é filiado ao Republicanos, e que a coligação de Ratinho Junior tem seis partidos. Na verdade, Martins é do PL, partido de Bolsonaro, e o governador do Paraná reuniu 11 partidos em torno de sua candidatura à reeleição. O texto foi corrigido.

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?

QUERO APOIAR

Inscreva-se na newsletter para continuar lendo. É grátis!

Este não é um acesso pago e a adesão é gratuita

Já se inscreveu? Confirme seu endereço de e-mail para continuar lendo

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar