Fome só é um problema para Bolsonaro se for na Venezuela

Presidente explora a história de refugiados para ressuscitar o fantasma da crise no país vizinho e negar a fome que assola o Brasil em seu governo.


Em um intervalo de seis dias, o presidente Jair Bolsonaro, candidato à reeleição pelo PL, se apresentou publicamente ao lado de dois imigrantes da Venezuela para atacar a miséria naquele país e ignorar a fome no Brasil. Primeiro, em um discurso de campanha em Betim, Minas Gerais, semana passada. Nesta terça-feira, dia 30, ele repetiu a manobra numa entrevista a jornalistas em Brasília.

Nas duas oportunidades, o presidente pediu aos dois refugiados que relatassem as dificuldades econômicas que viveram na Venezuela. Não haveria problema em falar da fome no encrencado país caribenho não fosse o fato de Bolsonaro e seu clã fingirem que o problema não existe no Brasil. Só que é mentira: 33 milhões de pessoas passam fome diariamente por aqui, segundo este levantamento da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional.

Pior ainda, Bolsonaro reagiu mal ao ser confrontado sobre o fato por jornalistas na terça. “Lógico que me incomodo [com a fome no Brasil]. Você acha que no passado não tinha fome no Brasil? [Mas] esse número, 30 milhões, está exagerado. Queria que fosse zero, mas não são 30 milhões. É uma história sempre para se vitimizar”, disse ao ser questionado.

A ideia simplória que embasa o discurso bolsonarista é a seguinte: com a volta de Lula ao governo, o Brasil corre o risco de entrar numa crise semelhante à da Venezuela. É uma lorota, por dois motivos: isso não ocorreu quando Lula foi presidente, entre 2003 e 2010, e Bolsonaro tem muito mais em comum com o caudilho autoritário que foi Hugo Chávez do que o petista.

Vale lembrar que o Brasil saiu do Mapa da Fome da ONU em 2014, durante o governo da também petista Dilma Rousseff, e voltou a figurar no documento em 2018, no final do mandato de Michel Temer – um retrocesso inédito no mundo, segundo afirmou o economista Walter Belik à Folha de S.Paulo em janeiro deste ano. O maior aumento no número de brasileiros em insegurança alimentar grave, porém, se deu durante o governo Bolsonaro.

Exemplo acabado de populista que ambiciona se tornar ditador, Bolsonaro costuma repetir que na Venezuela existem pessoas que tiveram que comer os próprios cães e gatos. Enquanto isso, finge que não vê as fotos de brasileiros disputando ossos de boi para colocar alguma proteína no prato. E jura não haver gente “pedindo pão” por aqui.

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?

QUERO APOIAR

Entre em contato

Inscreva-se na newsletter para continuar lendo. É grátis!

Este não é um acesso pago e a adesão é gratuita

Já se inscreveu? Confirme seu endereço de e-mail para continuar lendo

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar