Ministério das Comunicações escondeu encontro de Bolsonaro com Elon Musk

A quatro dias da vinda do homem mais rico do mundo, ministério de Fábio Faria negou que houvesse qualquer reunião ou parceria com Musk.


O presidente Jair Bolsonaro e o ministro das Comunicações Fábio Faria se reuniram nesta sexta-feira com o empresário Elon Musk, dono da Tesla e da SpaceX, em um hotel de luxo em São Paulo. Na visita, o governo brasileiro divulgou que usará satélites da empresa do bilionário para monitorar a Amazônia – os valores da transação não foram divulgados, nem nenhum contrato.

Há apenas quatro dias, no entanto, a pasta de Faria afirmou de forma taxativa que não havia nenhum encontro agendado entre qualquer um de seus membros e o homem mais rico do mundo, nem acordos com Musk. A tentativa de esconder a reunião e a parceria se deu na última segunda-feira, quando o ministério respondeu a um questionamento feito pela Coding Rights via Lei de Acesso à Informação.

A ONG, que trabalha na defesa dos direitos humanos na área tecnológica, perguntou se havia “uma data e local de realização” para o que vinha sendo noticiado pela imprensa como uma visita de Musk com a expectativa de parcerias ou acordos “em diálogo com o Ministério das Comunicações”. A organização perguntou ainda se havia “algum acordo e/ou termo de parceria em negociação ou já firmado” com as empresas de Musk.

As respostas vieram sem rodeios. “Não há qualquer acordo ou termo de parceria firmado ou em negociação entre o grupo Space Exploration Holdings, LLC. e este Ministério”, declarou a pasta de Faria. “Não há quaisquer reuniões ou visitas agendadas para tratar de qualquer tema entre este Ministério e representantes do Grupo Space Exploration Holdings”.

O ministro Fábio Faria no encontro Conecta Amazônia ao lado de Elon Musk e Jair Bolsonaro.

O ministro Fábio Faria no encontro Conecta Amazônia ao lado de Elon Musk e Jair Bolsonaro.

Foto: Reprodução/YouTube

Poucas horas depois de fotos de Bolsonaro e Faria juntos a Musk estamparem os portais de notícias brasileiros, a Coding Rights divulgou a negativa do governo no Twitter, acrescentando que “esse episódio põe em xeque nossa confiança no sistema de transparência instituído pela Lei de Acesso à Informação”. A ONG ainda questionou: “Será que organizaram um evento com o presidente e o cara mais rico do mundo em menos de uma semana?” – ou melhor, em meros três dias?

“Possíveis acordos, ou facilidades por parte do governo brasileiro para as ambições de Musk são de interesse de todos. No mínimo é preciso que haja total transparência sobre qualquer reunião e agenda do bilionário com gestores públicos”, disse ao Intercept Joana Varon, diretora da ONG. “Se um evento desta dimensão, que junta presidente, ministro e um dos homens mais ricos do mundo, acontece numa sexta e a resposta negando que haveria qualquer encontro ou reunião aconteceu na segunda-feira da mesma semana, tem algo estranho acontecendo”.

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?

QUERO APOIAR

Inscreva-se na newsletter para continuar lendo. É grátis!

Este não é um acesso pago e a adesão é gratuita

Já se inscreveu? Confirme seu endereço de e-mail para continuar lendo

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar