Seringas com vacinas contra a Covid-19 na Pensilvânia, em 19 de abril de 2021.

Exército de lobistas nos EUA tenta barrar genéricos de vacinas contra a covid-19

Farmacêuticas mobilizaram mais de 100 lobistas para derrubar o pedido de suspensão de patentes apresentado à OMC.

Seringas com vacinas contra a Covid-19 na Pensilvânia, em 19 de abril de 2021.

A indústria farmacêutica está injetando recursos em sua luta política contra as vacinas genéricas para a covid-19.

Documentos do primeiro trimestre de 2021 informam que mais de 100 lobistas foram mobilizados para pressionar legisladores e membros do governo Biden, com o objetivo de que se opusessem a uma proposta de suspensão temporária de patentes no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC). A medida permitiria a produção global de vacinas genéricas.

O grupo de lobistas das farmacêuticas que trabalha contra a proposta inclui Mike McKay, um dos principais arrecadadores de fundos para os democratas na Câmara dos EUA. McKay agora colabora com a Pfizer, assim como vários antigos membros do Gabinete de Representantes Comerciais dos EUA, órgão que supervisiona as negociações com a OMC.

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar

Segundo novos documentos que se tornaram públicos, vários grupos comerciais financiados por empresas farmacêuticas também buscaram derrotar a proposta dos genéricos. A Câmara de Comércio dos EUA, a Business Roundtable e a Aliança Internacional de Propriedade Intelectual, que recebem recursos da indústria farmacêutica, também articularam dezenas de lobistas contra a iniciativa.

A empreitada foi seguida por uma série de vozes influentes. Na semana passada, o senador republicano Thom Tillis divulgou uma carta exigindo que o governo dos EUA “se oponha a todo e qualquer esforço que vise a suspensão de direitos de propriedade intelectual”. De forma semelhante, o ex-presidente do Comitê Nacional Democrata, Howard Dean, criticou a proposta, ecoando muitos dos argumentos da indústria farmacêutica.

Atualmente apenas 1% das vacinas contra o coronavírus são destinadas a países de baixa renda, e as projeções mostram que grande parte da população mundial pode não ser vacinada até 2023 ou 2024. Em resposta, uma coalizão de países liderada por Índia e África do Sul solicitou à OMC a suspensão temporária dos direitos de propriedade intelectual de produtos médicos relacionados ao coronavírus, buscando com isso a fabricação rápida de vacinas genéricas.

O pedido propõe uma suspensão temporária de regras do Acordo TRIPS (sigla em inglês para Acordo sobre Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados ao Comércio). Se atendida a solicitação, farmacêuticas locais poderiam receber licenças compulsórias para produzir vacinas contra o coronavírus sem o risco de serem processadas pelos detentores das patentes.

A proposta ganhou força globalmente, com o apoio de centenas de membros do Parlamento Europeu, dezenas de parlamentares americanos liderados pelo senador independente Bernie Sanders e um número crescente de vozes que atuam na saúde pública.

Mas o pedido de suspensão encontrou oposição feroz das principais empresas farmacêuticas, que podem perder seus lucros e temem que a medida leve a uma aplicação menos rigorosa dos direitos de propriedade intelectual.

“A escassez de vacinas não se deve às patentes, e sim aos lamentáveis desafios de produção e distribuição”, escreveu Michelle McMurry-Heath, presidente da Organização de Inovação em Biotecnologia – grupo comercial que representa as empresas Moderna, Pfizer e Johnson & Johnson –, em artigo publicado na revista The Economist.

O pedido de suspensão, argumenta a autora, integra os “gestos vazios que colocam o custo e a responsabilidade de volta no colo dos países mais necessitados”. Uma solução mais adequada, segundo McMurry-Heath, seria continuar a abordagem liderada pelo programa COVAX, organização sem fins lucrativos apoiada pelo filantropo bilionário Bill Gates, que facilita compras e doações de vacinas para países em desenvolvimento.

Mas os ativistas globais da saúde pública seguem céticos.

“Os lobistas das farmacêuticas estão dizendo que a suspensão do Acordo TRIPS não aumentará o fornecimento de vacinas. Se isso é verdade, por que eles se opõem? Porque acreditam que isso vai de fato ampliar a produção”, observou James Love, diretor da Knowledge Ecology International, grupo que apoia a suspensão de patentes.

“Do ponto de vista jurídico, a suspensão em si é mais importante para eliminar duas disposições restritivas do TRIPS, ambas tratando de exportações”, acrescentou. “Do ponto de vista político, é mais importante dar luz verde para o licenciamento compulsório e pressionar os fabricantes de vacinas a fazerem mais acordos voluntários.”

Embora a COVAX pretenda fornecer dois bilhões de doses de vacinas, a iniciativa tem sido prejudicada por atrasos e falta de recursos – até agora somente 40 milhões de doses foram enviadas.

Professor de Direito da Northeastern University, Brook K. Baker observa que a indústria farmacêutica parece estar montando uma “contraofensiva” sobre as crescentes demandas pela suspensão do Acordo TRIPS. “Isso incluiu um pequeno exército bem pago de lobistas, com muitos ex-funcionários e figuras de Washington, além de campanhas publicitárias e artigos em jornais de pessoas ligadas à indústria que contestam a suspensão e preveem a destruição da indústria farmacêutica caso o pedido seja atendido”, afirma Baker, que é analista sênior de políticas da Health GAP. “Essa indústria fará de tudo para proteger sua propriedade intelectual e seus segredos comerciais, mesmo que não possa atender às necessidades de vacinas nos países em desenvolvimento.”

Baker defende que o governo dos EUA não apenas apoie a suspensão, mas também “deixe claro para o público americano que não podemos alcançar e manter a imunidade da vacina contra a Covid-19 a não ser que todo mundo seja vacinado”.

Até agora, o governo Biden se recusou a adotar posição sobre a proposta de suspensão. A representante comercial dos EUA Katherine Tai disse que está analisando a questão e que se reuniu com integrantes do lobby farmacêutico e ativistas que apoiam a iniciativa.

Tradução: Ricardo Romanoff

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?

QUERO APOIAR

Entre em contato

Conteúdo relacionado

Inscreva-se na newsletter para continuar lendo. É grátis!

Este não é um acesso pago e a adesão é gratuita

Já se inscreveu? Confirme seu endereço de e-mail para continuar lendo

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar