RIO DE JANEIRO,RJ,14.08.2017:MARCELO CRIVELLA/HOMENAGEM A EVANDRO E ANDRÉ CAMPEÕES MUNDIAIS DE VÔLEI - O prefeito Marcelo Crivella durante cerimônia de homenagem à dupla de vôlei Evandro e André Loyola, que foram campeões mundiais em Viena na Áustria, realizada no Palácio da Cidade, no Bairro do Botafogo no Rio de Janeiro (RJ), nesta segunda-feira (14). (Foto: Andre Melo/Futura Press/Folhapress)

Sob Crivella, Rio faz convênio com banco de Edir Macedo

Contrato dá direito ao A.J Renner, que tem empresa de Edir Macedo como sócia, de realizar empréstimos consignados com desconto em folha de servidores do município.

RIO DE JANEIRO,RJ,14.08.2017:MARCELO CRIVELLA/HOMENAGEM A EVANDRO E ANDRÉ CAMPEÕES MUNDIAIS DE VÔLEI - O prefeito Marcelo Crivella durante cerimônia de homenagem à dupla de vôlei Evandro e André Loyola, que foram campeões mundiais em Viena na Áustria, realizada no Palácio da Cidade, no Bairro do Botafogo no Rio de Janeiro (RJ), nesta segunda-feira (14). (Foto: Andre Melo/Futura Press/Folhapress)

A Secretaria municipal de Fazenda do Rio de Janeiro publicou nesta quarta (6) em Diário Oficial o extrato de um contrato que permite ao Banco A.J. Renner S/A a realização de empréstimos consignados com desconto em folha de pagamento de todos os servidores ativos e inativos da prefeitura. A medida chama a atenção já que um dos acionistas da instituição financeira, que tem sede no Rio Grande do Sul, é a B.A Empreendimentos e Participações, holding do Grupo Record, que tem entre seus sócios Edir Macedo, tio de Marcelo Crivella e líder da Igreja Universal do Reino de Deus, da qual o prefeito é bispo licenciado.

De acordo com o texto publicado nesta quarta, a assinatura do contrato com o banco foi feita no dia 30 de junho deste ano — há mais de dois meses —, e omitida no Diário Oficial de 24 de julho. Não há detalhes sobre os termos da parceria, informando apenas que ela será voltada para empréstimos pessoais consignados ou cartão de crédito consignado e tem vigência até 29 de junho de 2019. A publicação já traz um aditivo retificando duas cláusulas do contrato, sem detalhes sobre o teor delas.

Publicação em Diário Oficial do contrato com o Banco A.J Renner

Publicação em Diário Oficial do contrato com o Banco A.J Renner.

Reprodução

O contrato abre um grande mercado para a instituição financeira já que a prefeitura conta com cerca de 170 mil servidores, entre ativos e inativos. O banco passa a ter a garantia de que os pagamentos por eventuais empréstimos sairão diretamente do salário do funcionário.

Compra de ações em 2013

Uma reportagem do site do jornal “Valor” mostrou que, em junho de 2013, o Banco Central (BC) confirmou a compra de até 49% do capital social do Banco A.J. Renner pela empresa ligada ao bispo Macedo. Na época, segundo o “Valor”, o BC divulgou a seguinte nota: “Os controladores do Banco A.J. Renner S.A., com sede em Porto Alegre, negociaram parte de suas ações com a empresa B.A. Empreendimentos e Participações Ltda., que é controlada pela empresa Rádio e Televisão Record S.A., cujos sócios, Sr. Edir Macedo Bezerra e esposa, têm domicilio no exterior”.

O último relatório anual do banco, divulgado em junho deste ano e referente às atividades de 2016, confirma a participação acionária da empresa ligada a Macedo e ainda ressalta: “A instituição também atua em operações de crédito de capital de giro, desconto de títulos, crédito consignado privado, entre outros, frutos da sociedade com o Grupo Record”. O crédito consignado é exatamente o foco do contrato com a prefeitura do Rio.

Entre os produtos oferecidos pelo Banco Renner, há uma linha chamada “Eu sou Record”, voltada para funcionários e parceiros do grupo. Há ainda uma uma linha de crédito exclusiva para os proprietários de imóveis locados para a Igreja Universal.

Ministro de Temer é representante

De acordo com consulta feita por The Intercept Brasil no site da Receita Federal, a B.A Empreendimentos e Participações, acionista do banco, tem sede no bairro da Bela Vista, em São Paulo. Edir Macedo consta como “sócio residente no exterior” (Estados Unidos). No cadastro da Receita, o procurador do bispo no Brasil é Marcos Antonio Pereira.

Marcos Pereira é bispo licenciado da Universal e ex-presidente do PRB, partido de Marcelo Crivella. Atualmente, é ministro da Indústria, Comércio e Serviços do governo Temer. Pereira foi um dos apontados por delatores da JBS como beneficiário de repasses em dinheiro. Ao todo, teriam sido R$ 4,2 milhões, em troca de apoio na concessão de empréstimos da Caixa.

Na Receita Federal, não há referência atualmente à mulher do bispo Macedo entre os donos da B.A. Os outros sócios que constam são a Rádio e TV Record S.A, Isaías Ribeiro de Oliveira e João Luiz Urbaneja.

Cantoria para a Universal

Durante a campanha que terminou com sua eleição para prefeito, Marcelo Crivella procurou afastar sua imagem da Igreja Universal, chegando a omitir em seu site referência ao fato de ser bispo licenciado. The Intercept Brasil também mostrou que ligações entre Crivella e a igreja foram retiradas de reportagens publicadas no jornal “O Dia” em setembro do ano passado, no auge da corrida eleitoral.

Este ano, já como prefeito, Crivella viajou para a África do Sul, onde participou de cultos da Universal realizados num estádio. Em junho passado, ele cantou no Senado uma música em homenagem ao aniversário de 40 anos de fundação da igreja.

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?

Apoie o Intercept Hoje

Conteúdo relacionado

Inscreva-se na newsletter para continuar lendo. É grátis!

Este não é um acesso pago e a adesão é gratuita

Já se inscreveu? Confirme seu endereço de e-mail para continuar lendo

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar