Governo usa a própria incompetência para justificar decreto que liberou mineração

Governo usa a própria incompetência para justificar decreto que liberou mineração

Temer e seus assecla fazem o possível para oferecer qualquer explicação que vá além de "estamos agradando os amigos ruralistas que salvaram nossa pele".

Governo usa a própria incompetência para justificar decreto que liberou mineração

O governo vem recebendo uma enxurrada de críticas pela canetada que, sem qualquer aviso ou discussão prévia, acabou com uma reserva maior do que a Dinamarca, entre o Amapá e o Pará. Diante delas, Temer e seus assecla fazem o possível para oferecer qualquer explicação que vá além de “estamos agradando os amigos ruralistas que salvaram nossa pele”. Os resultados, têm gerado novas pérolas para nossa tragicomédia nacional.

Nesta segunda (28) o governo revogou o decreto inicial, e disse que vai publicar outro em breve, detalhando as regras para a área da extinta Renca (Reserva Nacional do Cobre e Associados). A revogação soa como uma resposta a um vídeo publicado na sexta (25), pelo ministro de Minas e Energia.

Em outras palavras, o governo liberou a mineração porque não consegue fiscalizar a mineração que já acontece.

Para resumir, o tucano Fernando Coelho Filho disse que o fim da reserva vai ajudar a combater o garimpo ilegal na região onde, segundo ele, já existem 28 pistas de pouso clandestinas. Em outras palavras, o governo liberou a mineração porque não consegue fiscalizar a mineração que já acontece por lá.

O argumento do ministro leva a um questionamento natural. Será que no futuro, quando as mineradoras canadenses – que souberam do fim da reserva cinco meses antes dos brasileiros –  começarem a revirar o solo em busca de cobre e ouro, a fiscalização do governo vai funcionar melhor do que com os atuais garimpos ilegais?

Foto em destaque: Garimpo na Floresta Nacional Flona Jamanxim / Daniel Paranayba

S.O.S Intercept

Peraí! Antes de seguir com seu dia, pergunte a si mesmo: Qual a chance da história que você acabou de ler ter sido produzida por outra redação se o Intercept não a tivesse feito?

Pense em como seria o mundo sem o jornalismo do Intercept. Quantos esquemas, abusos judiciais e tecnologias distópicas permaneceriam ocultos se nossos repórteres não estivessem lá para revelá-los?

O tipo de reportagem que fazemos é essencial para a democracia, mas não é fácil, nem barato. E é cada vez mais difícil de sustentar, pois estamos sob ataque da extrema direita e de seus aliados das big techs, da política e do judiciário.

O Intercept Brasil é uma redação independente. Não temos sócios, anúncios ou patrocinadores corporativos. Sua colaboração é vital para continuar incomodando poderosos.

Apoiar é simples e não precisa custar muito: Você pode se tornar um membro com apenas 20 ou 30 reais por mês. Isso é tudo o que é preciso para apoiar o jornalismo em que você acredita. Toda colaboração conta.

Estamos no meio de uma importante campanha – a S.O.S. Intercept – para arrecadar R$ 250 mil até o final do mês. Nós precisamos colocar nosso orçamento de volta nos trilhos após meses de queda na receita. Você pode nos ajudar hoje?

Apoie o Intercept Hoje

Entre em contato

Conteúdo relacionado

Inscreva-se na newsletter para continuar lendo. É grátis!

Este não é um acesso pago e a adesão é gratuita

Já se inscreveu? Confirme seu endereço de e-mail para continuar lendo

Você possui 1 artigo para ler sem se cadastrar