SÃO PAULO, SP, 09.07.2017: REVOLUÇÃO-CONSTITUCIONALISTA - O governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o prefeito da cidade de São Paulo, João Doria e o Secretario de segurança Magino Alves, participam da comemoração ao 85º Aniversário da Revolução Constitucionalista de 1932, em frente ao Mausoléu do Soldado Constitucionalista de 32, no Parque do Ibirapuera, zona sul de São Paulo., na manhã deste domingo (09). (foto: Alice Vergueiro/Folhapress)

Vídeo de Doria com Alckmin é mais uma pílula de cinismo no mundo da pós-verdade

Juras de amor do prefeito paulistano a mentor político soam falsas qual tuíte de Trump. Mas o pior é que isso não tem a menor importância. #aceleraseucoração

SÃO PAULO, SP, 09.07.2017: REVOLUÇÃO-CONSTITUCIONALISTA - O governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o prefeito da cidade de São Paulo, João Doria e o Secretario de segurança Magino Alves, participam da comemoração ao 85º Aniversário da Revolução Constitucionalista de 1932, em frente ao Mausoléu do Soldado Constitucionalista de 32, no Parque do Ibirapuera, zona sul de São Paulo., na manhã deste domingo (09). (foto: Alice Vergueiro/Folhapress)

O pós-prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB/SP), divulgou mais um de seus vídeos de autopromoção na noite deste domingo (13). Estava ao lado do governador Geraldo Alckmin (PSDB/SP) e tinha o objetivo de negar que os dois estejam de mal, numa disputa antecipada pela candidatura tucana à presidência da República. “Reafirmo minha lealdade ao governador Geraldo Alckmin, com quem tenho uma estreita amizade há 37 anos”, disse.

Foram quase dois minutos de juras de amor: “Eu gosto do Geraldo. Como amigo, como pai, como ser humano, como católico”, derramou-se Doria. Curiosamente, contudo, conforme aumentavam os elogios, aumentava também aquele constrangimento que costuma acompanhar os pronunciamentos do pós-prefeito. O desconforto se revelava no sorriso estático e amarelo de um Alckmin relegado ao papel de coadjuvante (ele falou por 15 segundos) e provavelmente tinha a ver com o fato de que quase tudo o que foi dito ali cheirava a pós-verdade.

“Eu gosto do Geraldo. Como amigo, como pai, como ser humano, como católico”

Não há como justificar a intensa agenda de viagens dos dois políticos pelo Brasil a não ser pelo desejo de se tornarem mais conhecidos, numa pré-pré-campanha presidencial.
Mas o pior não é a possibilidade, bastante alta, de Doria estar descaradamente mentindo em público. É o fato de que, no atual mundo de pós-verdades, isso não tem importância. Se daqui a alguns meses ele largar São Paulo no colo do atual vice, Bruno Covas, e partir para uma aventura nacional, é provável que seus eleitores continuem a apoiá-lo. Não seria a primeira vez. O senador José Serra, por exemplo, abandonou quatro mandatos em 21 anos. No processo, perdeu alguma popularidade. Mas continua sendo eleito.

Foto em destaque: Doria e Alckmin na comemoração ao 85º Aniversário da Revolução Constitucionalista de 1932, em 9 de julho. De: Alice Vergueiro/Folhapress

URGENTE! O Intercept está na linha de frente na luta por justiça pelo brutal assassinato de Marielle Franco.

Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, é apontado como mandante desse atentado. Revelamos que Ronnie Lessa, ex-policial militar envolvido, delatou, mas a homologação pelo STJ enfrenta obstáculos devido ao foro privilegiado de Brazão.

Sua doação é crucial para impulsionar investigações e ações legais. A verdade não pode mais ser silenciada. Faça sua doação agora!

FAÇA PARTE

Faça Parte do Intercept

Entre em contato

Conteúdo relacionado